logo AzMina

Guia para acompanhar a Copa do Mundo de Futebol Feminino

por Amanda Célio
7 de junho de 2019
Grupos, jogos, favoritas, escalação... Tudo o que você precisa saber para acompanhar o mundial que começa hoje

Daqui poucas horas, daremos o pontapé inicial na oitava edição da Copa do Mundo de Futebol Feminino. E se você estava na correria e não teve tempo de acompanhar as notícias sobre o torneio, pode ficar tranquila. Você não perdeu tanta coisa assim, até porque quase não teve cobertura.

Ainda tá em tempo de se atualizar. Para ajudar, preparamos um resumão para você conseguir acompanhar os jogos e torcer bem informada. Então é hora de começarmos nosso “balaio da Copa” com tudo que você precisa saber:

A oitava Copa do Mundo de Futebol Feminino será sediada na França, com 24 seleções, que estão divididas em seis grupos e farão os jogos em nove cidades, com a final marcada para 7 de julho, em Lyon. As outras edições do mundial aconteceram na China (1991 e 2007), Suécia (1995), Estados Unidos (1999 e 2003), Alemanha (2011) e Canadá (2015).

Primeira Copa foi só em 91

A primeira edição da Copa do Mundo de Futebol Feminina aconteceu em 1991, apenas 61 anos depois da primeira edição da Copa do Mundo de Futebol Masculino. É mole? No Brasil, por exemplo, só em 1979 conquistamos de vez o direito de jogar futebol (uma lei de 1941 proibia mulheres de praticarem esportes “incompatíveis com as condições de sua natureza”).

Disputamos todas as sete copas e nosso melhor resultado foi em 2007, quando chegamos à final contra a Alemanha e conquistamos o vice-campeonato. Vale lembrar também da Copa de 1999, que ficamos em terceiro lugar.

Leia mais: Quase-jogadoras: meninas sofrem com falta de times de base

Mesmo vindo de um retrospecto de nove derrotas consecutivas no último ano, em 2018, a Seleção Brasileira conquistou o heptacampeonato na Copa América Feminina, com 100% de aproveitamento e carimbou o passaporte para as Olimpíadas de Tokyo de 2020.

Para 2023, ainda não foi anunciado o país anfitrião da Copa do Mundo de Futebol Feminino, mas o Brasil está entre os postulantes. Voltando para a Copa de 2019, vamos falar de grupos, jogos e favoritismo.

Quais são os grupos da Copa do Mundo?

  • Grupo A: Coreia do Sul, França, Nigéria e Noruega
  • Grupo B: África do Sul, Alemanha, China e Espanha
  • Grupo C: Austrália, Brasil, Itália e Jamaica
  • Grupo D: Argentina, Escócia, Inglaterra e Japão
  • Grupo E: Camarões, Canadá, Holanda e Nova Zelândia
  • Grupo F: Chile, Estados Unidos, Suécia e Tailândia

Grupo C, do Brasil, como funciona?

Para a seleção passar para a fase eliminatória do Mundial, ela precisa estar entre as duas melhores do seu grupo ou estar entre as quatro seleções que chegarem em terceiro lugar de cada grupo com o maior número de pontos. Depois temos as partidas eliminatórias. Ganhe ou volte para a casa.

Leia também: “Não sei se Neymar cometeu estupro, mas ele cometeu crime de assédio sexual virtual”

Quando são os jogos do Brasil da 1ª fase

  • Brasil x Jamaica, domingo, dia 9 de junho, às 10h30min;
  • Austrália x Brasil, quinta-feira, dia 13 de junho, às 13 horas;
  • Itália x Brasil, terça-feira, dia 18 de junho, às 16 horas.

Onde ver

Na TV paga, SporTV e Band Sports vão transmitir o torneio completo. Já na rede aberta, Globo, Band e globoesporte.com vão transmitir apenas os jogos do Brasil. A Band também vai transmitir a abertura hoje.

Marta é a melhor do mundo para sempre?

Nos nossos corações sim. E em relação a títulos de melhor jogadora do mundo, Marta também deixa todo mundo no chinelo. Tem seis deles, um recorde mundial de desempenho entre homens e mulheres. É também a maior artilheira da Copa, com 15 gols.

Marta sentiu dores na coxa esquerda no fim de maio e foi constatada uma leve lesão. Há dois dias ela voltou a treinar com a equipe, mas ainda não se sabe se a jogadora está confirmada para a estreia contra a Jamaica, no domingo (9).

Outras lesões na Seleção Brasileira

A lateral-direita Fabi Simões foi cortada nesta semana por uma lesão de grau I no músculo semitendinoso da coxa direita e não de recuperou a tempo do Mundial.

No seu lugar, Poliana, do São José-SP, foi chamada às pressas e se juntou à equipe em Grenoble, cidade de estreia da Seleção Brasileira. A zagueira Erika e a meio-campo Luana ainda estão em processo de transição do tratamento fisioterápico para o campo e bola, mas estamos na torcida para que estejam 100% para a Copa.

Elenco brasileiro e as favoritas ao título

Inegável a qualidade do nosso elenco, que carrega nomes como Marta (camisa 10 e capitã) e Formiga. Eu falei Formiga? Sim! Sétima Copa, 41 anos. Ambas disputarão a última Copa da carreira, incluindo, também, Cristiane.

A última campeã do torneio, a seleção dos Estados Unidos, e líder do ranking mundial, segue como a favorita a levantar a taça. As americanas já levaram três títulos, inclusive o primeiro da Copa, em 1991. Somam 32 vitórias e uma derrota nos últimos jogos.

Mas é bom ficar de olho na Alemanha (2ª no ranking e duas copas vencidas), Inglaterra (3ª no ranking e venceu, neste ano, a competição que antecede a Copa, a SheBelieves Cup) e, por último, França (4ª no ranking).

Leia mais: #DeixaElaTrabalhar: o jornalismo esportivo é um clube do bolinha

A anfitriã quer chegar à final e tem boa campanha e histórico para isso. Venceu nos últimos seis meses duas seleções de destaques, EUA e Japão, e vem cotada como favorita também. Segundo uma consultoria especializada em dados de esporte, que a colocou com 22% de chances de levar o torneio, seguida dos Estados Unidos (14%), Alemanha (12%) e Inglaterra (11%).

O treinador, Vadão

O treinador da Seleção Feminina é Vadão, que coleciona algumas polêmicas no currículo. Assumiu pela primeira vez o comando da Seleção em 2014, mas deixou o posto entre 2016 e 2017, quando, assumiu a técnica Emily Lima.

Ela foi demitida no mesmo ano, quando o cargo foi reassumido por Vadão. Assunto de sobra para uma próxima coluna. O técnico tem passagens por times masculinos como São Paulo e Atlético Paranense.

Escalação

As atletas que vão representar o Brasil na Copa do Mundo (Foto: CBF)

Goleiras:

  • Aline – Tenerife (Espanha)
  • Bárbara  – Kindermann (Brasil)
  • Letícia – Corinthians (Brasil)

Laterais:

  • Poliana (São José)
  • Letícia Santos (Sand-ALE)
  • Tamires (Fortuna-DIN)
  • Camila (Orlando Pride-EUA)

Zagueiras

  • Érika – Corinthians (Brasil)
  • Kathellen – Bordeaux (França)
  • Mônica – Orlando Pride (EUA)
  • Tayla – Benfica (Portugal)

Meio-campistas:

  • Andressinha – Iranduba (Brasil)
  • Formiga – Paris St Germain (França)
  • Adriana (Corinthians)
  • Thaísa (Milan-ITA)

Atacantes:

  • Bia Zaneratto (Incheon Steel Red Angels-COR)
  • Cristiane (São Paulo)
  • Raquel (Huelva-ESP)
  • Debinha (North Carolina-EUA)
  • Geyse (Benfica-POR), Ludmilla (Atlético de Madri-ESP)
  • Marta (Orlando Pride-EUA)
  • Andressa Alves (Barcelona-ESP).

Ufa! É “só” isso. Agora todo mundo pode apostar sem medo no bolão e torcer com informação. Por aqui, vamos falar muito de Copa do Mundo de Futebol Feminina e torcer para nossa seleção. Nos faça companhia!

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher