logo AzMina
21 de janeiro de 2021

Tchau Trump: 11 atletas mulheres que o ex-presidente poderia ter homenageado

O presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Donald Trump conseguiram demonstrar no mesmo dia o desprezo com que ambos tratam o esporte feminino

Enquanto Bolsonaro criticava a questão do Enem, realizado no último domingo (17), que abordava a desigualdade salarial no esporte entre os jogadores de futebol Neymar e Marta (eleita seis vezes melhor do mundo pela Fifa), dizendo que são questões ridículas e que não havia comparação “já que o futebol feminino não era uma realidade no Brasil”, Donald Trump assinava uma emenda à sua ordem executiva criada em Julho do ano passado colocando 244 pessoas no “Jardim dos Heróis Americanos”.

O que espanta na lista escolhida por Trump, em um dos seus últimos atos como presidente, é que, entre os onze atletas indicados, nenhuma é mulher. Muhammad Ali, Jesse Owens e Kobe Bryant estiveram entre os esportistas escolhidos e homenageados na lista. As duas situações aconteceram na última segunda-feira (18).

Para refrescar a memória do ex-presidente, listamos 11 atletas femininas que fizeram e fazem história no esporte estadunidense:

1. Serena Williams

Serena Willians. Foto: Wiki Commons. trump atletas mulheres
Serena Willians. Foto: Wiki Commons

A tenista Serena Williams é considerada “rainha das quadras”. Uma das atletas mais importantes do esporte mundial, foi listada como número 1 do ranking mais de seis vezes e já venceu 23 Grand Slam em simples (individual, para os leigos) – o campeonato mais importante e disputado de tênis do mundo. Foi 5 vezes vencedora do torneio WTA Finals e já ganhou quatro medalhas de ouro em olimpíadas (1 de simples e 3 de duplas).

2. Simone Biles

Simone Biles. Foto: Wiki Commons. trump atletas mulheres
Simone Biles. Foto: Wiki Commons

Simone Biles é considerada uma das maiores atletas da história da ginástica artística. É a atleta que mais possui medalhas em Mundiais. Tem 25 pódios, com 19 medalhas de ouro, três pratas e três bronzes.

Leia também: Macho-embuste do estádio: seus dias estão contados

3. Alex Morgan

Alex Morgan. trump atletas mulheres
Alex Morgan. Foto: Wiki Commons

A futebolista Alex Morgan atualmente defende o Tottenham, da Inglaterra, e é uma das mais importantes jogadoras de sua geração. Estreou pela seleção americana em 2010 e tem acumulada na bagagem os jogos olímpicos de 2012, a Copa do Mundo de 2015 e 2019. Foi artilheira e co-capitã do último Mundial e marcou cinco gols numa única partida.

4. Danica Patrick

Danica Patrick. trump atletas mulheres
Danica Patrick. Foto: Wiki Commons

Danica Patrick é um dos nomes mais conhecidos no automobilismo. Embora não seja uma colecionadora de títulos e vitórias, a piloto foi a primeira mulher a vencer na Fórmua Indy e a conquistar a pole-position da Nascar.

5. Lindsey Vonn

Lindsay Vonn trump atletas mulheres
Lindsay Vonn. Foto: Wiki Coommons

Lindsey Caroline Vonn é uma esquiadora profissional. Ganhou quatro vezes o título geral da Copa do Mundo de esqui alpino (sendo uma das duas únicas esquiadoras do sexo feminino a conseguir tal feito, a outra é Annemarie Moser-Pröll), foram três títulos consecutivos em 2008, 2009 e 2010, além de outro em 2012.

6. Michelle Wie

Mochelle Wie trump atletas mulheres
Michelle Wie. Foto: Wiki Commons

Michelle Sung Wie West é uma jogadora profissional de golfe. Aos 10 anos, ela se tornou a jogadora mais jovem a se qualificar para um campeonato amador da USGA. Wie também se tornou a mais jovem vencedora do campeonato americano.

7. Katie Ledecky

Katie Ledeck trump atletas mulheres
Katie Ledeck. Foto: Wiki Commons

A nadadora é comparada a Michael Phelps. Ledecky é dona do recorde mundial nos 400m, 800m e 1500m livres femininos – quebrando o último recorde em 2018. Com cinco medalhas de ouro olímpicas e 15 títulos em Campeonatos Mundiais, ela é a atleta feminina mais premiada de todos os tempos.

Leia também: Secreto e proibido: uma história sobre a visibilidade lésbica no esporte

8. Lisa Leslie

Lisa Leslie trump atletas mulheres
Lisa Leslie. Foto: Comitê Olímpico Internacional

Em 2001, Lisa Leslie foi a primeira jogadora da WNBA a ganhar o MVP (sigla para Jogador Mais Valioso) da temporada regular, o All-Star Game MVP e o MVP do playoff na mesma temporada. Em 2002, ela foi a artilheira de todos os tempos da WNBA e foi nomeada MVP do Campeonato WNBA. Leslie foi membro das equipes olímpicas americanas vencedoras de ouro em 1996, 2000, 2004 e 2008. Ela se aposentou em 2009.

9. Megan Rapinoe

Megan Rapinoe trump atletas mulheres
Megan Rapinoe. Foto: Wiki Commons

Uma das maiores vozes no debate sobre inclusão de mulheres no esporte. Ganhou destaque mundial quando liderou a Seleção de Futebol Feminino dos Estados Unidos nos Jogos Olímpicos de 2012. Durante a Copa do Mundo de 2019, Rapinoe fez história marcando 6 gols e dando três assistências. Ganhou a medalha de ouro com a equipe e recebeu o título de melhor jogadora da Copa do Mundo, sendo premiada com a Bota e a Bola de Ouro por sua performance no torneio.

10. Florence Griffith-Joyner

Florence Griffith Joyner trump atletas mulheres
Florence Griffith-Joyner esteve na lista das 100 mulheres mais influentes do século da revista Time, publicada em 2020. Foto: Reprodução

Delorez Florence Griffith-Joyner era especializada em provas de velocidade. Também conhecida como Flo-Jo, ganhou diversas medalhas olímpicas e bateu os recordes dos 100 metros e 200 metros rasos, que ainda hoje se mantêm.

11. Ronda Rousey

Ronda Rousey Pixy
Ronda Rousey. Foto: Pixy

A ex-atleta foi uma das maiores da história do Judô com destaque para suas grandes lutas e vitórias no UFC. As inúmeras vitórias de Ronda Rousey a projetaram a um reconhecimento mundial pelas suas vitórias inéditas nas categorias que venceu pelo público feminino. A lutadora brilhou no MMA e conseguiu ser uma das mais brilhantes em sua história como lutadora.

Amanda Célio é jornalista pelo Centro Universitário do Triângulo. Atleta de sofá, feminista por ter ouvido tantos nãos e não se conformar. É de Minas e d’AzMina, péssima em trocadilhos, e, hoje, vive no Rio de Janeiro. Rainha dos dramas, não perde samba, blocos de carnaval e tem a certeza de que esporte é coisa de mulher.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Ei, você quer que o jornalismo feminista exista?

AzMina coloca tecnologia, dados e jornalismo a serviço do feminismo. Se você acredita nesse trabalho e quer que ele continue, apoie hoje o jornalismo independente que fazemos.

EU APOIO AZMINA