logo AzMina
Quem somos

Quem somos

Sim, nós somos feministas

Na verdade, achamos que todas as organizações e veículos jornalísticos deveriam ser feministas. Porque ser feminista quer dizer que acreditamos que homens e mulheres devem ter direitos e oportunidades iguais. Isso é o básico, não acham?

Mas infelizmente o mundo não é assim e usamos informação para mudar esse cenário e combater a violência contra a mulher em todas as suas formas.

Aqui você nunca vai ver mulher ser culpada pela violência sofrida, racismo, homofobia, reprodução de padrões estéticos e estereótipos de gênero.

nossa história

Sozinhas vamos bem, mas juntas andamos melhor

Quando começamos a sonhar em fazer uma revista feminista independente, que respeita e valoriza a mulher em toda a sua diversidade, feminismo ainda era palavrão, sexo vinha com manual de instrução para “satisfazer seu homem”, gordura era crime e mulheres negras, indígenas, trans e lésbicas eram invisíveis para a grande mídia.

Nascemos em 2015 com um financiamento coletivo. Com a ajuda de quem sonhou junto, criamos nosso site, estrutura burocrática e financiamos nossas primeiras reportagens.

Também lançamos campanhas de conscientização e luta contra o machismo, como #MachismoNãoÉBrincadeira, Carnaval Sem Assédio e #VamosMudarOsNúmeros, e expandimos nossa atuação para outras frentes ao longo dos anos.

A gente se orgulha de fazer parte da mudança que vem tornando todo o país menos machista.

Prêmios

Prêmios e Homenagens

Atuando há cinco anos na defesa dos direitos das mulheres, AzMina teve seu trabalho reconhecido por importantes prêmios do Brasil e do mundo.

Prêmio Respeito e Diversidade

O Instituto AzMina venceu as duas modalidades do Prêmio Respeito e Diversidade do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) 2021. Na modalidade sociedade, AzMina ficou em 3° lugar com o PenhaS, nosso app de combate à violência contra a mulher. Na categoria imprensa, a jornalista Júlia de Miranda levou o 2° lugar com a reportagem d’AzMina “Heroínas negras do Brasil: cinco mulheres que todos devem conhecer”.

Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados 2020

Em 2020, o Elas no Congresso, nosso projeto de monitoramento legislativo que conta com uma robô no Twitter, um ranking de parlamentares, newsletters semanais e reportagens especiais, foi vencedor do Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados na categoria Inovação. Os jurados destacaram a importância da transparência metodológica e replicabilidade do projeto.

Troféu Mulher Imprensa 2020

A nossa diretora Carolina Oms venceu por meio de votação popular na categoria “Jornalista Empreendedora” da edição 2020 do prêmio. O Troféu Mulher Imprensa conta com 18 categorias e tem como objetivo divulgar o trabalho das mulheres na comunicação em todo o Brasil e fomentar a pauta dos direitos das mulheres. 

Prêmio Geração Glamour

Em 2018, ganhamos o Prêmio Glamour, da Revista Glamour (Editora Globo), na categoria Agitadoras Digitais. Fomos reconhecidas pelas campanhas de conscientização que mobilizam as mídias sociais, como #CarnavalSemAssédio

Prêmio Synapsis FBH de Jornalismo

A reportagem especial O Mito do Aborto Legal, venceu o Prêmio Synapsis FBH de Jornalismo em 2016. Assinada pela repórter Carolina Vicentin, a reportagem denunciou as dificuldades que as brasileiras enfrentam para ter acesso ao aborto nos casos permitidos em lei.