logo AzMina
24 de setembro de 2021

Venha escrever para AzMina

Saiba como enviar sua sugestão de pauta e os valores que pagamos para reportagens freelancer

AzMina está sempre aberta a receber sugestões de pautas de colaboradoras freelancers sobre temas que impactam o dia a dia das mulheres brasileiras. Abordamos os assuntos com um olhar feminista, linguagem coloquial, imaginando que a leitora pode não saber nada sobre a pauta e suas dúvidas podem ser as mais simples possíveis. Buscamos  sempre enfoques exclusivos e temas  que a mídia tradicional costuma ignorar ou tratar de maneira estereotipada.

Na tabela abaixo, você pode ver quais são os valores que pagamos para frilas e os tipos de conteúdo que costumamos publicar. É claro que negociações podem ser feitas dependendo da pauta e dos recursos apresentados. O único tipo de matéria para o qual não aceitamos sugestões é o de Pautas SEO, sempre direcionadas pela equipe da AzMina. 

Também pedimos que as colaboradoras emitam nota fiscal. Para isso, é necessário ter uma empresa aberta, como um MEI (microempreendedor individual), por exemplo. A empresa precisa estar no nome da colaboradora, pois é ela quem assinará o documento de cessão de direitos autorais da reportagem.

E, vale lembrar, só aceitamos repórteres mulheres (cis e trans) e incentivamos a participação de pessoas negras, indígenas e LGBTQIA+ 

Agora que você já nos conhece melhor, para enviar sua sugestão é só preencher este formulário. Devido ao grande número de envios, não será possível responder a todas as sugestões de pautas que recebermos.

Esse é o único canal pelo qual recebemos esse tipo de sugestão. Pautas enviadas por email serão desconsideradas.

Obrigada pela atenção!

*Essa iniciativa foi inspirada pelo Núcleo Jornalismo

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!