logo AzMina
9 de março de 2017

No 8 de Março, não nos calámos! No dia 11 também não!

E nosso mote será este: "Constroem muros, aprendemos a voar", para celebrar as vitórias e para lutar pela igualdade de género

 

 

 

 

 

 

Centenas de pessoas concentraram-se esta quarta-feira no Rossio, em Lisboa, para reivindicar igualdade entre homens e mulheres.

A concentração, organizada pela Rede 8 de Março, associa-se ao movimento internacional ‘Paralisação Internacional de Mulheres’, que surge depois de, no ano passado, na Polónia, se ter proposto a criminalização do aborto, o que motivou uma greve de mulheres.

O protesto reivindicava uma voz (ou várias e em sororidade) que repetisse, como há séculos se faz, que trabalho doméstico é uma responsabilidade acrescida e invisível da mulher, que a crise implementou o aumento das diferenças salariais e que esta situação coloca o género feminino em situações de fragilidade social e económica. Mas referências à violência contra as mulheres foram também um marco do protesto, desde a violência doméstica, aos ataques institucionais, políticos, culturais, econômicos e religiosos contra mulheres trabalhadoras, contra mulheres migrantes, contra as mulheres negras, contra as mulheres lésbicas, contra as mulheres transgênero e todas as outras ditas minoritárias.
Uma nota importante foi a junção de várias associações em torno destas reivindicações, numa luta que se quer formar em torno da sororidade, porque juntas somos mais fortes e podemos criar um movimento feminista mais expansivo e inclusivo.
Com o objectivo de contrariar uma cultura patriarcal e machista instalada que renega o papel da mulher na luta política e o seu papel social de mudança, dia 08 de Março, em portugal, não nos calamos!

E dia 11 de Março sairemos à rua, novamente no Rossio, pelas 17h30, sob o mote “Constroem muros, aprendemos a voar”, para celebrar as vitórias e para lutar pela igualdade de género, exigir a mudança, os mesmos direitos e as mesmas oportunidades.

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!