logo AzMina

Nem tão polêmico: maioria das brasileiras acha que aborto é decisão da mulher

por Helena Bertho
12 de fevereiro de 2019
Pesquisa sobre saúde sexual da mulher também mostra que 4 milhões de brasileiras nunca foram ao ginecologista

Talvez o tema do aborto não seja tão polêmico quanto pensamos se levarmos em consideração a opinião das principais envolvidas no assunto: as mulheres.

Foi isso que os resultados de uma pesquisa divulgada hoje pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), realizada em parceria com o Datafolha, mostrou: 70% das brasileiras afirmam que a decisão sobre interromper a gravidez é uma questão pessoal que cabe somente à mulher decidir. Outros 25% disseram que é uma questão a ser decidida pelas leis.

Vale notar que na pesquisa o termo usado foi “interrupção da gravidez”, ao invés do termo “aborto”, o que pode ter influenciado nas respostas. Mas se ignorarmos o medo da palavra, é bom lembrar que interromper a gravidez é abortar.

“A Febrasgo tinha se omitido em relação ao assunto até pouco tempo atrás, numa posição bem cômoda. Mas em 2018 nos reunimos para discutir um posicionamento oficial. E qual é a nossa posição? Nós entendemos que essa é uma decisão da mulher. Lutamos pela descriminalização do aborto”, afirmou o presidente da organização, César Eduardo Fernandes.

Leia mais: “Como fiz um aborto com Cytotec”

Ele explicou que a orientação do órgão para os profissionais da área é de que se a mulher procura o médico com o desejo de interromper a gestação, não se deve negar nenhuma informação, nem influenciar sua tomada de decisão. No entanto, se ela pede indicação de um profissional para realizar o procedimento, não há o que fazer. “É muito embaraçoso para nós, porque não temos para onde encaminhar, já que é ilegal”, disse César.

4 milhões de mulheres nunca foram à ginecologista

Além da interrupção da gestação, a pesquisa “Expectativa da mulher brasileira sobre sua vida sexual e reprodutiva” levantou informações sobre como é a relação das brasileiras com o atendimento ginecológico.

Ao todo, foram entrevistadas 1.089 mulheres com mais de 16 anos, em 129 cidades, de forma a representar a população feminina do país.

Os resultados mostraram que 88% delas têm o hábito de ir ao ginecologista, 5% nunca foram e 8% não costumam ir. Apesar de percentualmente parecer um número pequeno, o relatório estima que em números absolutos sejam 6,5 milhões de mulheres que não costumam se consultar e 4 milhões que nunca foram a um ginecologista.

O estudo também mostrou que a idade média da primeira consulta ginecológica é aos 20 anos de idade. Para o presidente da Febrasgo esses dados são preocupantes, “pois a primeira consulta deveria ser na primeira menstruação”.

Com o acompanhamento tardio, as adolescentes estariam perdendo a oportunidade de fazer imunização para doenças como o HPV e de trabalhar a prevenção da gravidez.

Ele lembra que a taxa de gravidez na adolescência no Brasil é alta. Atualmente, ela é de 68,4 nascimentos para cada mil meninas entre 15 e 19 anos (a mundial é de 46 nascimentos para cada mil meninas).

Falta de acesso a médicos

Entre os motivos para não ir ao ginecologista, aparecem: não ter necessidade por estar saudável (31%), não considerar importante ou necessário (22%) falta de acesso (12%) e vergonha (11%). Isso mostra desinformação tanto em relação ao caráter preventivo e de orientação da ginecologista, quanto em relação da mulher com a própria sexualidade e saúde sexual.

Leia mais: “O aborto é traumático quando não há atendimento humanizado”

A falta de acesso também aparece como um problema central. Das entrevistadas, 37% disseram que o acesso ao médico ginecologista é difícil. Essa dificuldade foi relatada em proporção parecida entre as usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS), de convênios e de consultas particulares.

SUS está bem avaliado

De maneira geral, as entrevistadas demonstraram estar satisfeitas com o atendimento que tiveram com o último ginecologista a que foram. 88% das entrevistadas disseram estar satisfeitas com com o acolhimento e atenção dados pelos médicos.

Essa taxa não vária muito entre os atendimentos públicos ou particulares: no quesito acolhimento, 85% das usuárias do SUS se disseram satisfeitas, 91% das que pagam por consultas particulares e 93% das usuárias de convênio.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher