logo AzMina

“Aprendi a me masturbar e agora é só festa no meu quarto”

por Anô[email protected]
23 de janeiro de 2020
"A impressão que sinto é que sempre tem algo melhor para ser vivido e descoberto", conta a mina que senta no Divã d'AzMina

“Era dezembro de 2019, eu estava viajando para uma experiência de trabalho, fiquei hospedada em um quarto de bairro nobre em Salvador, na Bahia, com vista para o mar, com cama de casal e um espelho lindo e grande, que eu usava para me ver pelada e me sentir gostosa todas as manhãs, durante 10 dias.

Foi minha primeira experiência de viagem sozinha, e eu me sentia cada vez mais preenchida e madura. A caminho de Salvador conheci uma garota no Tinder, sou ariana e ela leonina, então já viu, né mores?!

Depois do match a gente não se desgrudou. Mensagens, áudios, fotos e memes, muitos memes. Ela me acompanhou durante todo o processo. Sempre que chegava em casa tarde, depois de um dia cansativo de trabalho e daquele banho maravilhoso que a gente lava o cabelo e a alma, eu falava por telefone com a leonina, em um dos dias por chamada de vídeo.

Leia mais: Por que tantas mulheres não gozam?

Ela era mais nova e já se tocava… foi então que no calor da conversa a gente transou por telefone e eu senti que ali foi o exato momento que eu havia aprendido sobre masturbação e agora sabia exatamente o que eu precisaria fazer para chegar lá. Aprendi a me masturbar aos 27 anos. E desde então tem sido só festa no meu quarto.

Uma vez li em algum lugar que nós não voltamos os mesmos depois de uma viagem, e eu voltei diferente. Um novo ano estava prestes a começar e após ter conseguido gozar com masturbação, naquele quarto, longe de casa, eu me sentia mais minha, mais bonita, mais livre e contente. Não poderia ter sido em um momento melhor e mais perfeito do que esse.

Leia mais: Vagina ou vulva? Bora conhecer o seu órgão sexual!

O universo caprichou. Não só pelo fato de ter descoberto a masturbação aos 27 anos, mas pelas pessoas que lá conheci, por tudo que vivi e experimentei. Eu já comentei com amigas que não me masturbava, mas era algo que eu gostaria de alcançar. Depois de ter conseguido, senti que minha independência daria um salto.

A impressão que sinto é que sempre tem algo melhor para ser vivido e descoberto. Como diz a canção dos Engenheiros do Hawaii: ‘Se eu soubesse antes o que sei agora, erraria tudo exatamente igual’.”

O Divã de hoje é anônimo.


Você tem uma história para contar? Pode vir para o Divã d’AzMina. Envie para [email protected]

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é azm_assine_newsletter_post.png
* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente, já ganhou prêmios e tem mais de quatro anos de impacto na vida de milhares de mulheres. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo sério e responsável que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e livre para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher