logo AzMina
9 de março de 2017

Todo dia é Dia da Mulher: leia um poema inédito e exclusivo de Anna Zêpa

'Eu só gosto de homem feminino. Do homem que foi obrigado a usar certas roupas para não provocar abusos', diz a autora natalense

08 de março de 2017

Eu só gosto de homem feminino. Do homem que foi obrigado a cozinhar para a família toda e na hora certa. Do homem que foi obrigado a cuidar da casa. Do homem que foi obrigado a lavar a merda da família.

Eu só gosto de homem feminino. Do homem que teve o rabo comido na infância pelo primo mais velho. Do homem que teve de chupar o pau do tio. Do homem que apanhou do pai porque apareceu em casa namorando.

Eu só gosto de homem feminino. Do homem que foi comido por mais de 30 quando andava por aí exibindo seus músculos sem camisa. Quem mandou?

Eu só gosto de homem feminino. Do homem que foi obrigado a usar certas roupas para não provocar abusos. Do homem que teve o patrão roçando a mão na seu bumbum gostoso enquanto o patrão lhe oferecia aumento.

Eu só gosto de homem feminino. Do homem que teve de criar o filho sozinho porque foi abandonado grávido. Do homem que foi condenado à pena de morte porque traiu a mulher.

Eu, mulher de verdade, só gosto de homem feminino.

(Dedico este texto com amor a Marcelino Freire, mestre e constante fogo literário.)

Anna Zêpa tem 2 livros de poesia publicados pelo Selo DoBurro: Primeiro Corte (2013) e aconvivênciadosnossosrastros (2015). Em 2016 lançou sua primeira publicação em prosa Da perda à pedra a queda é livre através da parceria lusobrasileira entre os selos Demônio Negro e Douda Correria.

Se você é uma escritora ou tem alguma sugestão de autora para apresentarmos, envie e-mail para [email protected] e nos conte tudo 😉

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

Bruna é uma jornalista e escritora paulistana. Pesquisa literaturas e feminismos na USP e faz parte da coletiva Circular de Poesia Livre. Escreve desde que aprendeu a combinar as letras e publicou os livro de poesia “entranhamento” e “algo a declarar.;'”.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!