logo AzMina
24 de março de 2022

Nota sobre vídeo “O que Anitta e Angela Davis têm em comum?”

Sabemos e reconhecemos que Angela Davis e Anitta são mulheres de realidades, contextos e ações completamente diferentes. E entendemos que o vídeo coloca em comparação algo que é incomparável

Na última sexta-feira, 18 de março, publicamos em nossas redes sociais um vídeo em que apresentamos “O que Anitta e Angela Davis têm em comum”, com intuito de divulgar nossa reportagem sobre as referências feministas de jovens da geração Z. Mas depois de lermos e ouvirmos comentários e posts nas redes sociais, por parte de nossa comunidade e também de ativistas do movimento de mulheres negras, entendemos que erramos no tom e na proposta do vídeo. 

Para a reportagem, ouvimos mais 280 jovens de 12 a 20 anos sobre suas referências em relação ao feminismo e Anitta e Angela foram os dois nomes mais citados. Sabendo quem são cada uma delas, achamos um resultado curioso e usamos essa informação na divulgação. 

Sabemos e reconhecemos que Angela Davis e Anitta são mulheres de realidades, contextos e ações completamente diferentes. E entendemos que o vídeo coloca em comparação algo que é incomparável. Sem desmerecer ou deslegitimar a ação ou trabalho de nenhuma das duas mulheres, entendemos pelos apontamentos feitos por vocês, que o vídeo desrespeitou a história do movimento de mulheres negras. 

Pedimos desculpas a todas que ofendemos. E reforçamos que nossa intenção nunca foi desvalorizar nenhuma trajetória, nem movimento. O vídeo não vai ser tirado do ar porque essa é uma política de jornalismo da Revista AzMina. Aquilo que foi uma vez publicado não pode ser apagado, como registro do nosso trabalho e também dos nossos erros. Mas vamos editar a legenda do conteúdo para incluir essa retratação. 

Toda a repercussão do vídeo gerou diversos debates e reflexões internas na equipe da Revista AzMina e vamos usar esses aprendizados daqui para frente para evitar que situações assim se repitam. 

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA