logo AzMina
6 de fevereiro de 2018

Moxine, duo de indie pop, lança EP sobre amores e rumos incontroláveis

Mônica​ ​Agena assina a produção do "Passion Pie", que reafirma a importância da mulher na música

 
Moxine é um duo paulista de indie pop​ formado há oito anos pela ​baixista ​Fabiana Lugli e guitarra-vocal de Mônica Agena, já conhecida por acompanhar artistas como Natiruts, Emicida, Fernanda Takai e outros.

Apostando num rock orgânico misturado a elementos eletrônicos,​ Passion Pie traz composições autorais obscuras, sobre amores e seus rumos incontroláveis. Tudo isso num​ ​embalo​ ​pop​ ​e​ ​de​ ​refrões​ ​espertos.

Com produção musical assinada pela própria Mônica, espaço tipicamente masculino, a dupla reafirma a importância de a mulher tomar o seu lugar na música.

Capa do EP “Passion Pie”/ Foto de divulgação

Mônica conta “já fui muito dirigida por outros produtores. Acho que essa é a melhor maneira de aprender e encontrar a sua metodologia para produzir”.

“Fora isso, tem o lado psicológico, a autoconfiança, a segurança em si mesma, que você deve trabalhar e acreditar que pode sim fazer aquilo”, reflete Agena sobre o processo.

A banda acaba de lançar o lyric video “​Fantasiando”, faixa de abertura do EP que, segundo Agena, “é irônica e dramática ao falar de uma atração intensa e fatal”.

No clipe, a letra da música, que conta a história de um encontro que não aconteceu, surge a partir de um fundo preto em meio a cores neon, que nos remetem automaticamente para a pista de dança, uma balada. O balanço do riff da guitarra nos embala e permite criar nossa própria cena do encontro não encontro.

O vídeo foi produzido e animado por Alex Maia, que ​traduziu de maneira criativa os caminhos da letra numa animação com ares nostálgicos.

Assista aqui:

Ouça Passion Pie:

MÍDIAS SOCIAIS
Facebook | Instagram | Youtube | Spotify | Deezer | Google Play

A Hard Grrrls foi um dos e-zines mais importantes que surgiu em 2000 com o bum da internet no Brasil. Teve sua ascensão se tornando um portal e um festival. Encerrou suas atividades em 2006. Em 2016, uma edição revival do festival foi realizada e surgiu a parceria com a Revista AZMina.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!