logo AzMina

Onde começa a transição de gênero?

O jornalista Liel diz que a mudança de pronome antecedeu a hormonização. Já para a publicitária Ariel, a virada foi quando ela entendeu que podia ser uma mulher com pênis. Veja essas histórias!

Embora pessoas trans ou travestis não se identifiquem com o gênero definido antes mesmo do nascimento, isso não significa, necessariamente, que a hormonização ou a cirurgia de readequação de sexo são os únicos jeitos dessas pessoas se expressarem no gênero que se identificam.

No novo vídeo do “Mas vocês veem gênero em tudo?”, nosso programa no Youtube, a gente escutou o Liel, a Patrícia, a Flora e a Ariel para saber o que definiu a transição de gênero para cada um. Assista! 

O jornalista Liel Marín, por exemplo, disse que a mudança de pronome e de nome antecederam a hormonização. Já para a publicitária Ariel Albuquerque, a virada de chave aconteceu quando ela entendeu que podia ser uma mulher com pênis, uma vez que ela nunca quis fazer a cirurgia de readequação. Veja aqui cada uma dessas histórias!

E se você é uma pessoa cis, anota esse lembrete: é importante que as definições de gênero sejam sempre dadas pela pessoa. Nada de achar que alguém é homem ou mulher só considerando os estereótipos que a gente tem de cada gênero, blz? Agora vai lá ver o nosso vídeo e aproveite e se inscreva no nosso canal. Tem vídeos novos toda terça-feira e quinta quando dá. 

Leia mais: Pessoas trans também precisam de cotas – AzMina

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA