logo AzMina
Mulheres na Política: direito a voz
Mulheres na Política

Mulheres na política: A luta histórica pela voz

Websérie resgata histórico de mulheres na política, mapeia movimentos que promovem ocupação feminina na política, apresenta a realidade de mulheres em cargos políticos e discute possíveis caminhos para uma mudança

Mulheres e política nunca foram palavras distantes. De diversas maneiras, nós sempre fizemos política, mas quase nunca estivemos representadas na política institucional, nos partidos, em Brasília. Nessa websérie, produzida pela FLUXA em parceria com a Revista AzMina, trouxemos dados, explicações e questionamentos, além de fatos recentes (como a decisão do Tribunal Superior Eleitoral sobre a utilização de 30% do dinheiro do fundo eleitoral para candidaturas de mulheres) relacionados às mulheres na política. Também discutimos possíveis caminhos para uma mudança efetiva.

Leia mais: Como o feminismo e as mulheres podem influenciar as eleições em 2018

Em ano de eleição, no país que ocupa a 152ª posição no ranking mundial de igualdade de gênero na política, as jornalistas Bárbara Barcia, Claudia Alves e Fernanda Prestes, da FLUXA, perceberam uma lacuna nessa discussão e iniciaram, então, uma pesquisa sobre mulheres na política. Os episódios abordam diferentes temas: histórico de mulheres no poder, a realidade de mulheres que já ocupam cargos políticos, movimentos que promovem uma maior ocupação feminina na política e as pautas mais importantes e urgentes para as mulheres no Brasil.

Leia mais: Mulheres no Congresso aumentam confiança na democracia, diz especialista de gênero da OEA

Nomes como Hildete Pereira de Melo, economista e autora do livro “Mulheres e Poder”; Manuela D’Ávila, deputada estadual pelo Rio Grande do Sul e candidata à vice-Presidência da República; Monica Francisco, candidata a deputada estadual do Rio de Janeiro; Talíria Petroni, candidata a deputada federal do Rio de Janeiro; Verônica Costa, vereadora do Rio de Janeiro; e representantes dos movimentos apartidários PartidA e Rede Umunna fazem parte dos personagens que costuram a discussão nos episódios.

Leia mais: Laranjas profissionais? Com zero votos em eleições anteriores, elas são candidatas em 2018

No segundo episódio, as jornalistas conversam com mulheres que já fazem parte da política institucional brasileira para saber como é ser minoria nesses lugares, quais as dificuldades e o que sofrem quando conseguem chegar lá.

 

Vote Nelas, Rede Umunna, Mapa das Mina e PartidA são alguns dos movimentos que surgem com o objetivo de promover mais mulheres em cargos políticos no Brasil. Neste terceiro episódio, apresentamos as diferentes propostas e formas para impulsionar as mulheres na política

 

No quarto episódio da série “Mulheres e Política” antes das eleições, as jornalistas falam sobre algumas das principais pautas das brasileiras atualmente. Temas como aborto e violência doméstica são discutidos por especialistas e mostram como a falta de representatividade afeta no debate dessas pautas dentro da política

No último episódio, a série traz o panorama pós-eleições de Brasil bate: o Brasil bateu seu recorde em representação feminina na Câmara dos Deputados após as eleições de 2018, com o número de cadeiras ocupadas por mulheres saindo de 10% para 15%. Mesmo assim, o país segue com uma das piores taxas do mundo de representação de mulheres no Parlamento, com um abismo em relação à participação feminina no eleitorado brasileiro, de 51%. 

Conheça os bastidores da apuração da websérie

Sobre a FLUXA:

A FLUXA nasceu da inquietude das jornalistas Bárbara Barcia, Claudia Alves e Fernanda Prestes, que, juntas, resolveram tirar do papel projetos documentais que levantassem debates relacionados à temas importantes para as mulheres. Por acreditarem em um audiovisual horizontal, as três jornalistas produzem, roteirizam e dirigem os trabalhos, contribuindo para um novo jornalismo com propósito.
 

Atualizada dia 4 de fevereiro de 2020, às 11h, para incluir o quinto episódio da série

Ei, você quer que o jornalismo feminista exista?

AzMina coloca tecnologia, dados e jornalismo a serviço do feminismo. Se você acredita nesse trabalho e quer que ele continue, apoie hoje o jornalismo independente que fazemos.

EU APOIO AZMINA