logo AzMina

Ela quer empoderar nas quebradas!

Projeto contemplará 100 meninas que já tenham algum engajamento com ONGs ou lideranças dentro da comunidade
Viviane Duarte
Viviane Duarte

“Toda mulher tem um plano”, diz o slogan do Plano Feminino. O da jornalista Viviane Duarte, 37, era empoderar mulheres. Em meados de 2010, quando a juventude ainda não falava em “girl power” na internet e achava que feminismo era sinônimo de queimar sutiã em praça pública, o sonho da jornalista paulistana saiu do papel. Nascia o Plano Feminino, uma plataforma especializada em estratégias de marketing que vem criando uma nova representação da mulher na publicidade brasileira.

A construção do Plano Feminino foi de muita inspiração, mas sobretudo, transpiração. A trajetória da empreendedora Viviane é cheia de erros e acertos. Nascida nas quebradas da zona norte paulistana, ela deu duro pra se formar jornalista e passou anos desenhando seu projeto: uma plataforma de conteúdo feminino. Enquanto isso, estudava mais o mercado e trabalhava como executiva em empresas globais do Paraná, construindo estratégias para o público feminino.

Quando chegou a hora, não hesitou em sair do conforto que tinha como gerente de comunicação de uma grande empresa , investiu todas as economias e decidiu voltar para São Paulo para empreender. Viviane deixou sua casa e família em Maringá, para passar 1 ano e 3 meses morando em um quartinho de hotel em São Paulo e fazer seu plano tornar realidade. Precisava conquistar parceiros e marcas que acreditassem em seu modelo de negócio. Insistiu com o brilho no olhar e a perseverança de uma mulher que agarrou seus sonhos com unhas e dentes pra fazer acontecer, e fez: hoje a empreendedora colhe os frutos do esforço. O Plano Feminino, ao longo desses anos, vem criando conexões com propósito entre marcas e consumidoras para clientes como LG, Kellogs, Sanofi, Seda, Brilhante, Natura, Santander, Heineken e outros gigantes. Agora, diz a jornalista paulistana, é hora de retribuir.

No ano em que sua plataforma de conteúdo e branding comemora 6 anos, Viviane lança o Plano de Menina, um projeto que reflete sua própria trajetória: “eu comecei de baixo, mas tive pilares pra me estruturar e chegar onde cheguei. Quero que outras meninas possam ter as oportunidades que eu tive”.

Crescida nas quebradas da Freguesia do Ó, na zona norte de São Paulo, ela lança em 8 de março o projeto que é sua menina dos olhos. O Plano de Menina tem por objetivo empoderar garotas das periferias para fazer com que elas sejam protagonistas de suas próprias histórias. O leva workshops e brincadeiras educativas, semanalmente, às garotas, para pensar temas como autoestima, felicidade, educação financeira, liderança feminina, tecnologia, empreendedorismo, entre outros.

“Falar de empoderamento é ainda mais poderoso quando efetivamente estamos realizando algo fora das mídias sociais e textos inspiracionais. Queremos realizar e nos tornar agentes de transformação por meio de iniciativas que promovam a educação e a realização de planos de meninas e mulheres de todo Brasil”, afirma a jornalista.

O Plano de Menina ganhou ainda mais força quando Viviane conheceu a consulesa da França no Brasil, Alexandra Loras, que luta contra a exclusão social eo racismo há anos. Filha de pai congolês, ela se apaixonou pelo projeto e se tornou parceira de Viviane e embaixadora oficial do Plano de Menina. “Quando a Viviane me falou do projeto eu me encantei. Acredito muito na força da mulher e do conhecimento, e nós queremos ser um canal de empoderamento para essas meninas”, reforça a consulesa. Juntas, Viviane e Alexandra montaram um time de embaixadoras que reúne diversas mulheres poderosas, como Maria Sylvia Aparecida de Oliveira, presidenta do Geledés Instituto da Mulher Negra, Giovana Camargo, co-fundadora da plataforma de educação Cinese e Letícia Bahia, que representa Revista AzMina no projeto.

A fase inicial deverá contemplar 100 meninas que já tenham algum engajamento com ONGs ou lideranças dentro da comunidade. Para o primeiro ano, o foco é São Paulo – capital, mas posteriormente a intenção é amplificar o raio de alcance para outros estados com marcas parceiras da plataforma.

Viviane explica que cada vez mais empresas têm interesse em apoiar projetos como o Plano de Menina: “Não adianta criar anúncios em rosa e roteiros de empoderamento se a marca de fato não tiver uma causa e não transformar sua mensagem em ações de impacto junto às mulheres. As marcas estão entendendo isso e as consumidoras já sabem reconhecer esse movimento”.

O projeto se inicia em março e está em busca de marcas madrinhas para se fortalecer e empoderar mais e mais meninas. “Abriremos espaço para marcas que efetivamente desejem promover mudança e experiências junto às suas consumidoras e além disso, a partir do dia 8 de março, teremos um espaço de cadastro no site, dedicado às mulheres que quiserem dividir suas expertises com o projeto e empoderar nossas meninas com o que tenham de aprendizado para compartilhar”, explica a jornalista.

Com os olhos marejados, Viviane arremata: “O importante é onde essa meninas querem chegar, e elas vão chegar!”

O time de embaixadoras o Plano de Menina. No centro, Viviane Duarte (de terninho preto) e a consulesa da França Alexandra Loras (ao seu lado, de vestido estampado)
O time de embaixadoras o Plano de Menina. No centro, Viviane Duarte (de terninho preto) e a consulesa da França Alexandra Loras (ao seu lado, de vestido estampado)

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!