logo AzMina

“Bonita de rosto”? Expressões gordofóbicas que as mulheres estão cansadas de ouvir

AzMina e a atriz e apresentadora Luana Xavier contam quais expressões gordofóbicas precisam sumir do dicionário

A mulher gorda não tem um minuto de paz! Basta ela existir para ser alvo de expressões gordofóbicas. Se vai comprar uma roupa, ouve que a loja não trabalha com tamanhos especiais; se perde alguns quilos, escuta que está mais bonita, se cuidando mais; e quando vai receber um elogio, ouve que é bonita de rosto! 

A gordofobia é tão enraizada na sociedade brasileira que, muitas vezes, as pessoas que emitem opiniões sobre corpos gordos acham que isso é normal e que até estão fazendo bem em ‘’alertar’’ a pessoa gorda. 

O pior é quando dizem que estão preocupados com a saúde da mulher gorda! Gente, agora, todo mundo é médico e sabe avaliar clinicamente uma pessoa gorda, então? Aliás, que noia é essa por exame médico? 

É para tentar diminuir o preconceito que existe contra as mulheres gordas que AzMina convidou a apresentadora Luana Xavier para narrar o quarto episódio do AzMina Dá a Letra, que é, praticamente, um dicionário antigordofóbico.

Assista!  Você vai descobrir quais são as expressões gordofóbicas que existem no seu vocabulário e que precisam ser eliminadas para todo o sempre! 

Aproveite e se inscreva no canal! Tem vídeos novos toda terça-feira e quinta quando dá! Você vai saber mais sobre assuntos como sexo, maternidade, autoestima, saúde e muito mais! 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA