logo AzMina

BBB e racismo: um vídeo pra ninguém mais falar que não tem informação

Na estreia do programa Mas Vocês Vêem Gênero em Tudo, debatemos os episódios de racismo no BBB e também como a Globo tem exibido o preconceito como entretenimento

O BBB foi palco esta semana de uma grande discussão sobre racismo, depois de um comentário racista do cantor Rodolffo sobre o cabelo do professor João Luiz Pedrosa. O episódio virou debate ao vivo, na segunda-feira, e também foi tema de um discurso do apresentador, Tiago Leifert, na terça-feira, quando Rodfolffo foi eliminado do programa. 

Duas coisas no debate chamaram atenção, porém: primeiro, a insistência de Rodolffo em não admitir o racismo de sua fala, alegando ter também parentes negros na família ou falta de informação sobre o assunto. Vale lembrar, que ele também fez comentários machistas e homofóbicos no programa e se defendeu com a mesma justificativa. 

O outro ponto que chamou atenção foi como a Globo se recusou a nomear o que houve como racismo. “Assunto”, “questão”, “tema” eram as palavras usadas. Nunca racismo. E isso é um problema. 

Nossa repórter Marília Moreira explica tudo isso e aprofunda o debate no vídeo, lembrando que o racismo costuma andar de mãos dadas com a homofobia e o machismo – e que para combater um, é preciso encarar todos os problemas. 

Leia mais: Podemos aceitar a radicalidade de pessoas negras serem humanas?

O vídeo marca a estreia do novo programa da Revista AzMina, “Mas vocês vêem gênero em tudo?”, que vai ao ar quinzenalmente, sempre nas tardes de sexta-feira, no nosso canal do Youtube. Se inscreva para receber os próximos! 

E se você conhece alguém que já cometeu atos racistas alegando “falta de informação”, envie esse vídeo, assim essa desculpa nunca mais vai colar! 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA