logo AzMina

BBB e racismo: um vídeo pra ninguém mais falar que não tem informação

Na estreia do programa Mas Vocês Vêem Gênero em Tudo, debatemos os episódios de racismo no BBB e também como a Globo tem exibido o preconceito como entretenimento

O BBB foi palco esta semana de uma grande discussão sobre racismo, depois de um comentário racista do cantor Rodolffo sobre o cabelo do professor João Luiz Pedrosa. O episódio virou debate ao vivo, na segunda-feira, e também foi tema de um discurso do apresentador, Tiago Leifert, na terça-feira, quando Rodfolffo foi eliminado do programa. 

Duas coisas no debate chamaram atenção, porém: primeiro, a insistência de Rodolffo em não admitir o racismo de sua fala, alegando ter também parentes negros na família ou falta de informação sobre o assunto. Vale lembrar, que ele também fez comentários machistas e homofóbicos no programa e se defendeu com a mesma justificativa. 

O outro ponto que chamou atenção foi como a Globo se recusou a nomear o que houve como racismo. “Assunto”, “questão”, “tema” eram as palavras usadas. Nunca racismo. E isso é um problema. 

Nossa repórter Marília Moreira explica tudo isso e aprofunda o debate no vídeo, lembrando que o racismo costuma andar de mãos dadas com a homofobia e o machismo – e que para combater um, é preciso encarar todos os problemas. 

Leia mais: Podemos aceitar a radicalidade de pessoas negras serem humanas?

O vídeo marca a estreia do novo programa da Revista AzMina, “Mas vocês vêem gênero em tudo?”, que vai ao ar quinzenalmente, sempre nas tardes de sexta-feira, no nosso canal do Youtube. Se inscreva para receber os próximos! 

E se você conhece alguém que já cometeu atos racistas alegando “falta de informação”, envie esse vídeo, assim essa desculpa nunca mais vai colar! 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!