logo AzMina
14 de fevereiro de 2019

O Tao do Feminismo: O que a China pode nos ensinar?

Em sua coluna de estreia, Viviane Kao nos leva pelo "caminho" que valoriza a dualidade complementar, na busca por criar espaços onde possamos nos encontrar, diversas e únicas como somos
China
Mulheres da minoria étnica da região de Kaili na China, comemorando o fim das colheitas de arroz no Festival da Lua, também conhecida como Festival do Meio do Outono. Uma celebração de abundância e união quando a lua está cheia em todo seu esplendor. Crédito Viviane Kao

“A China é um gigante adormecido. Deixe-a dormir, pois quando ela acordar, o mundo irá tremer”.

Esta é uma tradução da frase atribuída ao Napoleão Bonaparte, que mesmo sem ter conhecido a China, estudou com muito interesse todo o seu potencial. Também é a abertura do filme “Podres de Ricos” (Crazy Rich Asians), de 2018, primeira produção hollywoodiana com casting 100% asiático.

Até aqui, duas coisas devem ter chamado a sua atenção.

Primeiro, o uso do artigo feminino ao se referir à China como “ela” ao invés de “ele”. Principalmente em inglês, que contaria neste caso com o pronome assexuado “it”. Mas não, usaram “she” mesmo.

Segundo, que o primeiro filme hollywoodiano a ser produzido no ocidente com todos os papéis principais sendo representados por atores asiáticos sair apenas em 2018, sendo que Hollywood se tornou pólo de produção cinematográfica por volta de 1910. Ou seja, levou mais de 100 anos até que a diversidade no quesito Ásia chegasse aos cinemas.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é azm_assine_newsletter_post.png

Existe um conceito no inconsciente coletivo que expressa-se através da frase atribuída a Napoleão. É a associação de uma força adormecida com o poder feminino; um contraste de potência e delicadeza em complemento que causa movimento. Movimento tremendo. Esta é também a proposta do Tao: um caminho que contempla a dualidade complementar em movimento para realizar o potencial individual, que não pode ser dito, apenas vivido.

Em meio às discussões do feminino, da igualdade, da liberdade, da expressão, do sistema e do poder, com essa coluna quero lançar um olhar asiático para compor o universo da diversidade. Porque branco ou preto é binário. E quando nos limitamos à apenas duas formas de propor o mundo, nos tornamos extremistas. Mas a diversidade é múltipla, infinita e cheia de possibilidades.

Está na hora de expandirmos as possibilidades de ser e perceber o mundo além do binário para contemplar o dual.

Este mês, a China comemora o ano 4717. O seu calendário lunar não propõe uma visão de estar à frente dos tempos atuais, mas de honrar a sua história contabilizando a sua existência desde o começo da sua civilização.

Ser a sociedade viva mais antiga existente traz um grande diferencial: ter tido mais tempo para errar e aprender em coletivo. A evolução deste processo de aprendizado culmina com o poder de influência que a China exerce hoje no mundo em aspectos econômicos e cotidianos.

Reflexões

Em meio ao despertar desse gigante, proponho reflexão ao invés de respostas. Como a filosofia, língua, medicina, tradição, arte e cultura chinesa pode complementar o nosso olhar aqui no ocidente? Existe força na suavidade e na delicadeza? O que é ser feminino a partir do olhar “yin” proposta no Oriente? Como o yin se expressa em tempos de transformação e conscientização? A busca é pela igualdade ou pelo equilíbrio? Se o gigante já acordou, onde ficam as “she” neste tremer?

Acredito que o Tao passa por fazer as perguntas certas. E neste novo ano, que chega até o outro lado do mundo agora, lanço algumas das questões que cutucam a minha alma yin, na busca por criar espaços onde possamos nos encontrar, diversas e únicas como somos, e complementares nos nossos contrastes.

Estamos vivendo tempos de transição e mudanças profundas de consciência e presença. Já entendemos que a força yang não sustenta mais o movimento que o mundo pede, mas não compreendemos ainda todos os mistérios que a energia sutil do yin propõe. A China demonstra por experiência que a chave está na nossa união. Errando e aprendendo. Mas juntas é que influenciamos o mundo.

Primeira de ambas as famílias chinesas Kao e Lee a nascer no Brasil, Viviane teve toda sua educação na escola americana Chapel. Formada em Comunicação Social pela ESPM e pós graduada pela FGV, deixou sua carreira de executiva de Marketing depois de 13 anos no mundo corporativo para escutar a sua alma. Crescer em meio aos desafios multi-culturais fez de seu propósito construir pontes entre mundos, no mundo. Terapeuta holística com base na Medicina Tradicional Chinesa, conecta a mente e o corpo no processo de autoconhecimento. Amante da fotografia e comunicação, encontra nelas a arte de expressar as suas emoções. Anfitriã de viagens à China, propõe um mergulho em busca da essência comum de ser humano, sem deixar de lado o respeito por todas as diferenças que nos fazem indivíduos.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!