logo AzMina
31 de agosto de 2020

Tá tudo bem se você tem medo. Tá tudo bem se você tem esperança

Sei que em cada pessoa que agora me lê uma (ou muitas) cicatrizes ficaram dessa Roda da pandemia. Mas a gente ainda existe e resiste!
Crédito Pixabay

Outro dia uma moça mandou-me um direct falando que amava minha coluna, somente sentia falta dos assuntos “mais sérios, acadêmicos, de aprendizado”. Agradeci e pensei que nesses tempos tudo que quero são “assuntos leves”, vídeos de minha sobrinha que nasceu a caducar com todos os bebês das minhas amigas gestantes (esse baby boom de quarentena). Os assuntos sérios vão voltar, não se preocupem! Mas nessa coluna quero dizer para quem me acompanha: eu sei que está difícil e, olha, sei mesmo!

Vou contar minha história dessa quarentena: primeiro minha mãe atravessou a ponte e foi para Terra além dessa nossa, depois teve um incêndio no meu Templo e por causa desse incêndio, tive uma cegueira psicológica. Sim, o mundo sumiu durante uma semana para mim. Depois, meu pai teve depressão por causa da passagem de minha mãe. Hoje ele está em tratamento, mas depressão em idoso é um dia de cada vez, como as músicas lentas que ele tanto gosta de escutar no rádio.

O Templo se reconstruiu e a demanda era (e ainda está) tão grande online e presencial que tive de fazer uma escolhi escolha. “E se deixar metade dos compromissos civis que tenho e ficar somente com o Templo?”. Lógico que tive medo. Em um mundo capitalista, você não ter um emprego com carteira assinada ou passar em um concurso público parece ser um sinônimo de fracasso. Por outro lado, em uma tarde, pensei em todo o sacrifício que muitas que vieram antes de mim passaram e que na verdade, enquanto estava esperando ser o parâmetro de normalidade dos outros, a única normalidade que me cabia era a que não me fazia mal. E um dia deixei muito dos trabalhos que já não me davam prazer e mergulhei nessa jornada.

Leia mais: Um agradecimento a todas as pessoas que curam e nos trazem o amanhã

Eu tenho fé e crenças, mas não estou falando da fé nas forças da minha religião. Estou falando na fé em mim mesma. Eu passei por todos os períodos nessa quarentena, do luto, do acho-que-to-com-covid-ou-é-só-paranoia, da raiva contra o presidente, de acordar cedo e mega malhar com o aplicativo de academia, de acordar meio dia e comer tudo aquilo que tinha muito doce e muito conservante, arranjei crush, desencantei do crush. Imagine uma colcha de retalho e aí está a minha vida.

Tinha dia que chorava, tinha dia que pensava que era o fim do mundo, e dia, como o primeiro em que peguei a minha sobrinha no colo, que queria que o mundo ficasse lindo. Atendo em média de cinco a seis pessoas online, todas com suas próprias colchas de retalhos, todas com sua própria fé em si mesmas. Tá tudo bem se você tem medo. Tá tudo bem se você tem esperança. Tá tudo bem cada pedacinho de sentimento que existe aí dentro. Nunca se cobre, nunca desista, nunca tenha vergonha do que acontece.

Autocuidado como prática revolucionária – ainda mais no caos

Eu espero te encontrar, mesmo que não seja presencialmente! Espero te encontrar aqui na coluna, nas minhas redes sociais (juro que sou mega legal pra conversar), espero te encontrar nas tuas novas vitórias. E, acredite, não fomos feitos para sobreviver, fomos feitos para viver. Não sou uma otimista tola, sei que em cada pessoa que agora me lê, uma (ou muitas) cicatrizes ficaram dessa Roda da pandemia. Mas a gente ainda existe e resiste! E essa é a arte, essa “estranha mania de ter fé na vida” e que nos faz cada dia acordar, abrir as portas do Templo e perguntar para meu primeiro atendimento: “e então, quais seus desejos para hoje?”. E que possamos ainda ter muitos desejos por essa vida afora…

Rebecca Souza é feminista descolonial e mulher de etnia cigana que vive no norte do Brasil. É ativista de direitos humanos e foi eleita “Jovem Mulher Líder” pelas Nações Unidas. Foi do Grupo Assessor da Sociedade Civil da ONU Mulheres, é sacerdotisa de bruxaria tradicional e nas horas vagas se apresenta como dançarina de dança do ventre.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!