logo AzMina
30 de maio de 2017

Ruína, um manifesto em forma de CD contra a ‘privatização’ do corpo feminino

Banda paulistana In Venus lança álbum de ruptura, que pode ser considerado um caos sonoro e experimental: 'Optamos por partir do zero'
Foto por Filipa Andreia do projeto WE ARE NOT WITH THE BAND

Entre um emaranhado de questões internas expostas ao momento sociopolítico atual, surge o Manifesto da Ruína, que questiona a “privatização” do corpo feminino; o capitalismo que acelera o tempo; e as padronizações coletivas. Precedente ao lançamento do primeiro álbum da banda paulistana In Venus, o manifesto nos dá um panorama de sua nova sonoridade.

A banda composta por Cint Ferreira (voz e teclados), Patricia Saltara (baixo), Camila Ribeiro (bateria) e Rodrigo Lima (guitarra), a In Venus desponta em um momento prolífico da atual cena grrrl paulistana, que inclui grupos como Charlotte Matou um Cara.

O álbum Ruína, lançado na última sexta-feira (26/05) no Estúdio Aurora, apresenta a colisão dessa estrutura dual “privado x coletivo” / “individual x público”, e de um mix de estilos musicais, como no wave e o shoegaze, dos aos 90. O sintetizador  acrescentado entre os instrumentos gera um caos sonoro e experimental que, somado ao vocal ecoante de Cint, transborda a urgência da renovação, mostrando o melhor do post punk grrrl. É um disco trilha sonora para a destruição necessária a atualização de perspectivas.

“Como banda, em 2016 passamos por um processo interno de ruína, ao mesmo tempo em que testemunhamos destruições externas”, revela Cint. “Isso nos afetou num nível que tivemos de rever o que já havíamos criado e acabamos optando por partir do zero, refazendo tudo, para chegar ao que estamos lançando agora”, acrescenta a cantora e também autora das nove faixas do álbum de estreia do quarteto lançado pelos selos PWR Records (PE), Efusiva (RJ), Hernia de Discos (SP) e Howlin’ Records.

Foto por Filipa Andreia do projeto WE ARE NOT WITH THE BAND

As letras, escritas em inglês e português, tratam de temas conhecidos as mulheres como casos de abuso, assédio e outras dificuldades. A música de abertura “Youth Generation”, liberada uma semana antes do lançamento, chega de forma visceral com suas microfonias e ambientações.

Destaque para músicas “Mother Nature”, primeiro single divulgado pela banda e que vem com uma melodia ecoada, e  “Cotidiano”, de final barulhento e sombrio. De acordo com Cint, “a faixa ‘Mother Nature’ remonta nossa relação com o feminino, com a natureza (grande mãe) e as sensações de bem estar que esse ambiente pode trazer”, explica. A linha de baixo foi a única de todo o álbum não reproduzida por Lippaus, e sim pela baixista Priscila Lopes.  Já na letra de “Cotidiano”, Cint questiona o machismo e a cumplicidade masculina como sua principal ferramenta de manutenção.

O último grito é dado em “Inverno da Alma”, a mais direta do álbum e que serve de trilha sonora para a violência, incluindo em sua fase final um poema sobre o tempo e suas prisões, escrito também por Cint. Escute o CD completo abaixo.

OUÇA O DISCO Ruína

Ficha Técnica

Todas as faixas gravadas, mixadas e masterizadas por Billy Comodoro no estúdio Aurora entre fevereiro e maio de 2017, exceto a faixa “Mother Nature”, gravada em outubro de 2016.
Produção musical: Lucas Lippaus
Todas as composições por In Venus

Banda:
Cint Ferreira – Vozes e teclados
Camila Ribeiro – Baterias
Rodrigo Lima – Guitarras
Lucas Lippaus – Baixos, exceto na faixa “Mother Nature”
Priscila Lopes – baixo em “Mother Nature”
Participação especial: Dinho Lacerda – Surdos na faixa “Go”

Foto por Filipa Andreia do projeto WE ARE NOT WITH THE BAND

Mídias Sociais
Facebook | Bandcamp | Instagram | Spotify | Deezer | iTunes

*Quer nos enviar seu material? Escreva para [email protected]

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA