logo AzMina
28 de novembro de 2017

Portal celebra protagonismo feminino na música

Projeto reunirá artistas independentes de todo o Brasil e de todos os estilos musicais. Objetivo é dar visibililidade a elas e funcionar como um catálogo de busca
Reprodução da internet

No último dia 22 de novembro, em comemoração ao Dia da Música, nós ganhamos um portal todo dedicado à Mulher na Música!

O projeto idealizado pela Sêla, uma aliança entre cantoras e mulheres envolvidas no mercado musical, traz conteúdos que vão desde eventos, resenhas de disco e bandas à apresentação de projetos e mulheres que estão nos bastidores dando suporte às musicistas — como entrevistas com diretoras de clipes, fotógrafas, mulheres na produção de merchandising, etc.

Camila Garófalo nos conta que a motivação da criação do site foi “expandir esse território pertencente às mulheres que lhes é de direito e lhes foi tomado através da História. Por exemplo, as compositoras que foram silenciadas não recebiam nem os créditos das suas canções. Então é muito importante dar o nome dessas artistas e também das profissionais que estão nos bastidores”.

O portal reunirá artistas independentes de todos os cantos do Brasil e de todos os estilos musicais. O intuito é dar visibilidade, concentrando todas as informações e servindo como um catálogo de busca, um documento de registro. Dessa maneira, é um sistema mútuo de empoderamento e autogestão.

“Se a Sêla surgiu com o objetivo de colocar mais mulheres nos palcos e nos bastidores, o site surgiu com o intuito de dar nome a elas e território digital”, conta Camila Garófalo

Um time de peso está por trás desse projeto: Fernanda Malaco, Camila Garófalo, Laiza Rocha, Lara Pessoa, Flora Miguel, Marina Coelho, Ana Larousse, Josie Lucas, Mariangela Carvalho, Renata Brandani e Lúcia Ellen (quem vos fala).

Todas trabalhando para mostrar que sim, música também é lugar de mulher!

A Hard Grrrls foi um dos e-zines mais importantes que surgiu em 2000 com o bum da internet no Brasil. Teve sua ascensão se tornando um portal e um festival. Encerrou suas atividades em 2006. Em 2016, uma edição revival do festival foi realizada e surgiu a parceria com a Revista AZMina.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!