logo AzMina

A minissaia foi inventada no Brasil, e por um homem

por Melody von Erlea
4 de setembro de 2019
O artista Flávio de Carvalho usou a roupa na década de 50 como parte de uma experiência artística
minissaia
FLÁVIO de Carvalho na rua com traje New Look. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em:
<http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra35706/flavio-de-carvalho-na-rua-com-traje-new-look> Acesso em: 03 de Set. 2019

A Swinging London dos anos 60 estava pulsando: música, cores, psicodelia e moças com as pernas de fora desfilando com a tendência da década, a minissaia. Mary Quant, a estilista pop do momento, era considerada a responsável pela criação da peça de roupa icônica e revolucionária, mas a própria estilista dizia que quem inventou a minissaia foram suas clientes – ela só executou os desejos da mulher londrina da época.

Pouco antes disso, no pós Segunda Guerra cresceu a popularidade do New Look de Dior, desfilado em 1947 e transformado em estética padrão nos anos 50 – o look de cintura bem marcada, saia bem rodada até as canelas, blusa justinha que ressaltava os seios, super inspirado na moda do século 19 e que colaborava para a reinserção da mulher em seu lugar devido, o lar.

Os anos 60 e suas revoluções sexuais abriram novas possibilidades para o guarda-roupa feminino, libertando as mulheres de amarras metafóricas e literais – as roupas que restringiam a movimentação e ressaltavam os atributos fisiológicos femininos.

A moda da minissaia pegou até no Brasil, que estava vivendo um período político de tensão e conservadorismo, pautado pela censura geral da mídia durante a ditadura. A minissaia distrai o olhar do cansaço político, permite a falação, a fofoca, as notícias sobre celebridades – é a válvula de escape midiática brasileira durante o governo militar, ao mesmo tempo que traz uma falsa liberdade, uma sensação de escolha e de domínio da mulher sobre seu corpo.

Leia mais: Moda e sustentabilidade: é possível juntar os dois?

O item de vestuário tava nas pernas das cantoras da Jovem Guarda, estava vestindo artistas intelectuais como Elis Regina, era democrática, sensual e, principalmente, uma muito necessária novidade não-prejudicial.

Embora Londres do início dos anos 60 seja considerada o berço da minissaia, no Brasil dos anos 50, enquanto o mundo ocidental aceitava e reproduzia o antiquado New Look de Dior, um artista surgiu com uma intervenção artística que previa não apenas o surgimento da minissaia mas propunha um novo olhar para o corpo e a moda masculina.

Em 1956 Flávio de Carvalho, artista, arquiteto e escritor, desfilou pelo centro de São Paulo com o que ele ironicamente nomeou “New Look”: a roupa ideal para o homem dos trópicos. O look consistia em minissaia e uma blusa solta, cropped e com manga sino. Ele dizia que esse era o traje ideal para trabalhar e se mover por uma cidade como São Paulo no clima brasileiro.

Enquanto os grandes veículos de moda exaltavam o New Look de Dior, que restringia a movimentação das mulheres, atuando a favor do poder masculino e da opressão feminina, Flávio de Carvalho desfilava seu New Look, que libertava os homens tropicais da opressão dos trajes europeus.

De acordo com ele, não havia sentido em restringir os homens a padrões europeus de terno e gravata no calor de um país tropical – assim como as mulheres haviam se libertado das saias e espartilhos, o homem devia se libertar da calça e da gravata.

Leia mais: Racismo na passarela: Como o preconceito se expressa na moda?

Ao mesmo tempo que desafiava padrões ocidentais de moda, Flávio era um dos primeiros homens a mostrar as pernas em público fora da praia – o primeiro homem de minissaia, anos antes da tendência explodir na capital britânica pelas mãos de Mary Quant. A caminhada de minissaia era, além de uma proposta de moda, uma experiência artística, que ele nomeou Experiência nº 3.

A Experiência nº 2 havia acontecido duas décadas antes, e o conceito, a teoria e as motivações de Flávio estão publicadas no livro de mesmo nome, disponível para download gratuito no arquivo da Biblioteca Brasiliana. No livro, o artista demonstra seu interesse por moda e regras estilísticas desde cedo, e descreve a Experiência nº 2 e sua importância.

Em 1931, Flávio caminhou na direção contrária de uma procissão religiosa de Corpus Christi, sem tirar seu boné. Naquela época as regras de conduta e etiqueta quanto à roupa eram rígidas, e não descobrir a cabeça quando da presença de evento religioso era extremamente ofensivo.

Flávio acreditava que a crença em regras imutáveis e tradições teria grande efeito na agressividade de uma comunidade, para determinar se a força da crença era maior do que a força do respeito à vida humana.

Em suas duas experiências, Flávio pôs à prova padrões vigentes de estética e comportamento que explicitavam papéis de gênero, de poder e de opressão.

Inadvertidamente, na segunda experiência, acabou prevendo a grande tendência da década seguinte, a minissaia dos anos 60 – muito antes de Mary Quant e bem longe de Londres.

E ao contrário de Quant, que atribuía sua criação a um inconsciente coletivo de suas clientes. Flávio baseava sua ideia em argumentos lógicos, que incluíam conforto, mobilidade, frescor, uso de tecido, um estilo adequado a tipos diversos de corpos (Flávio dizia “adequado a gordos e magros”), facilidade de limpeza e higienização, psicologia das cores e circulação do ar.

Clodovil o próprio afirma que o inventor da minissaia foi ele, no começo dos anos 60, quando pediu a uma costureira aumentar a barra do vestido que Elis Regina ia usar pra se apresentar na TV. A mulher entendeu errado, encurtou a barra e Clô só descobriu quando ligou a TV e deu de cara com Elis e suas pernocas todas exibidas.

Leia mais: “O meu sonho é não precisar especificar que sou modelo plus size”

Mesmo se isso fosse verdade acho que significa que quem inventou a minissaia foi a costureira (mais uma mulher anônima na história da moda) e não Clodovil – e mesmo se déssemos os devidos créditos à costureira, Flávio de Carvalho já tinha causado fuzuê com seu #freethecoxas pelo menos 5 anos antes.

A obra de Flávio de Carvalho está em exposição na Galeria Almeida e Dale, em São Paulo, até dia 19 de outubro.

Serviço:
Flávio de Carvalho: o antropófago ideal
Local: Galeria Almeida e Dale –  R. Caconde, 152, Jardim Paulista – São Paulo
Quando: Até 19 de outubro, de segunda a sexta, das 10h às 19h
Entrada gratuita

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher