logo AzMina

“O meu sonho é não precisar especificar que sou modelo plus size”

Mayara Russi atua há 15 anos como modelo. Ao longo do seu caminho profissional, pode assistir o mercado da moda viver uma enorme transformação. “Eu vi as marcas começando a fazer coisas diferentes, roupas [plus size] que também as magras usam”.

Mas ela não acredita na bondade do mercado, não. “O mercado vai atrás de onde dá dinheiro. A partir do momento em que as pessoas começam a se empoderar, se mostrar felizes com o corpo que elas têm, o mercado vê a necessidade de se enquadrar naquilo”, diz.

No bate-papo com Juliana Luna, ela conta como foi sua trajetória nessa área, os preconceitos que encarou e ainda encara e também a evolução que tem visto. “O meu sonho é não precisar especificar que sou modelo plus size, sou só uma modelo que veste 52.”

Leia também: Gordura é doença?

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!