logo AzMina
6 de dezembro de 2021

Gordofobia ao contrário

Se “romantizar a obesidade” fosse um argumento sensato, as festas de final de ano seriam assim:
gordofobia ao contrario

Pleno 2021 e a gente ainda tem que ficar falando que o corpo da outra pessoa NÃO É MOTIVO DE COMENTÁRIO. Cansei.

Num exercício de desprendimento com a realidade, resolvi então imaginar como seria se, ao invés de gordofobia, houvesse a tal da “romantização da obesidade”, que tanto falam que o ativismo antigordofóbico faz. Aproveito o gancho desta época do ano, cheia de festas, comidas e planos pro ano vindouro.

Vem comigo!

  • Pra começar, programas de culinária passarão a dar receitas de pratos típicos da ceia em suas versões high carb, com dicas de como aumentar as calorias, mesmo que para isso precise abrir mão do sabor!

  • Não vai ter ninguém fazendo dieta para poder “comer sem culpa” na ceia! Não existe essa história. É panetone com rabanada no café da manhã, peru com salpicão no almoço e pernil com farofa no jantar, equilibrando com o manjar da madrugada.

  • Quando a tia inconveniente vier falar do seu peso, certamente vai ser para dizer “nossa, como você tá magrinha, vem cá e come mais um pedacinho desse empadão!”

  • Já o “Tio do Pavê”, essa entidade natalina, deixaria de existir; afinal, tudo “é pacumê”.

  • A figura almejada é a do Papai Noel de barriga saliente, não a da Mamãe Noel que o patriarcado inventou para ficar do lado dele: novinha e levinha.

  • Na hora da lista de resoluções para o Ano Novo, “engordar mais uns quilinhos” e “aumentar o manequim” estariam no topo dos desejos de qualquer pessoa sensata.

  • Ninguém também tá preocupado com o tal do “corpo de praia”. A regra máxima “tenha um corpo, vá à praia” parece se fazer valer plenamente.

  • Por fim, o corpo da outra pessoa não é uma questão. Cada um cuida do seu, e vida que segue, sabendo que o corpo gordo é o padrão. 

Ai, ai…

E aí, me diz você: falta algo nesta lista?

Leia mais: Já pensou em fazer dieta
* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA