logo AzMina
5 de maio de 2016

“Sou mulher, sou indígena e sinto isto aqui”

Em documentário dirigido por Glicéria Tupinambá e Cristiane Pankararu, mulheres falam do preconceito que enfrentam fora de suas comunidades e o machismo de dentro delas

Resolvemos entregar o Divã d’AzMina de hoje a mulheres indígenas ouvidas pelas documentaristas Glicéria Tupinambá e Cristiane Pankararu. Neste documentário, mulheres falam do preconceito que enfrentam fora de suas comunidades e o machismo de dentro delas. Um olhar simples e belo para essas mulheres que são tantas vezes esquecidas pela sociedade – e até por alguns grupos feministas.

 

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!