logo AzMina
5 de maio de 2016

“Sou mulher, sou indígena e sinto isto aqui”

Em documentário dirigido por Glicéria Tupinambá e Cristiane Pankararu, mulheres falam do preconceito que enfrentam fora de suas comunidades e o machismo de dentro delas

Resolvemos entregar o Divã d’AzMina de hoje a mulheres indígenas ouvidas pelas documentaristas Glicéria Tupinambá e Cristiane Pankararu. Neste documentário, mulheres falam do preconceito que enfrentam fora de suas comunidades e o machismo de dentro delas. Um olhar simples e belo para essas mulheres que são tantas vezes esquecidas pela sociedade – e até por alguns grupos feministas.

 

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA