logo AzMina
16 de novembro de 2021

AzMina vence Prêmio Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados 2021

Júri destacou abordagem original, completa, relevante e complexa do MonitorA, observatório de violência política nas redes sociais

O MonitorA, observatório de violência política de gênero nas redes sociais, projeto da Revista AzMina e do InternetLab, foi um dos vencedores, no último sábado (13), do Prêmio Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados 2021. É o segundo ano consecutivo em que a Revista AzMina vence a premiação, a principal na área de jornalismo de dados no país.

Ao longo da campanha eleitoral municipal do ano passado, de setembro a novembro de 2020, o MonitorA coletou milhões de publicações dirigidas a candidatos de todos os espectros políticos em diferentes redes sociais (Twitter, Instagram e YouTube). Com filtros linguísticos automatizados e também com análises humanas, analisamos essas publicações para entender a dinâmica da violência durante as eleições por todo o país e mostramos que a violência política contra as mulheres em redes é sexista e misógina.

A primeira reportagem publicada por AzMina e InternetLab revelou que 123 candidatas monitorados em 7 estados municipais receberam mais de 40 xingamentos por dia apenas no Twitter. Na segunda reportagem, no segundo turno das eleições, mostramos que outras figuras políticas femininas que apoiavam candidaturas femininas também foram atacadas. Publicamos ainda um relatório final com a análise dos dados e sugestões que amplificam o debate em diferentes esferas. Foram feitas ainda reportagens regionais, mostrando como a violência impactou as candidaturas femininas em nível local nas diferentes regiões do país.

Esses dados foram divulgados pelas próprias candidatas que, vítimas da violência nas redes, denunciaram o assédio, e também foram republicados por mais de 50 veículos de comunicação, além de terem impactado a discussão sobre violência política de gênero no Congresso.

O projeto, que recebeu financiamento do Instituto Update, contou ainda com parceiros como o Volt Data Lab, a pesquisadora Yasmin Curzi, e cinco veículos regionais que produziram conteúdo sobre o tema: BHAZ, Portal Catarinas, Agência Mural, Marco Zero Conteúdo e Amazônia Real. 

Júri

Em sua decisão, o júri da premiação destacou a “abordagem original, completa, relevante, e um grau de complexidade raro nos trabalhos jornalísticos guiados por dados”. Também chamou a atenção para o rigor do tratamento dos dados e o grau de replicabilidade da metodologia. Por fim, afirmou que o projeto material trouxe achados muito importantes sobre a dimensão da desigualdade de gênero na política brasileira. 

A iniciativa, organizada pela Escola de Dados, Transparência Brasil e Abraji, visa incentivar práticas de transparência governamental e o uso de dados abertos de interesse público, além de inspirar jornalistas e estudantes a usar dados em suas investigações.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.  

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso. 

FAÇA PARTE AGORA