logo AzMina
20 de setembro de 2021

AzMina conquista Prêmio Respeito e Diversidade do Ministério Público

Instituto venceu na modalidade Sociedade com o aplicativo PenhaS e na modalidade Imprensa com a reportagem Heroínas Negras do Brasil

O Instituto AzMina venceu as duas modalidades do Prêmio Respeito e Diversidade do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) 2021. A iniciativa, idealizada pela Presidência do CNMP e realizada conjuntamente com o Ministério Público Federal e a Escola Superior do Ministério Público da União, visa apoiar ações que possam contribuir para a construção de uma sociedade livre e democrática.

Na modalidade sociedade, que premiou atividades que visam o benefício e a transformação da sociedade com o engajamento de voluntários, AzMina ficou em 3° lugar com o PenhaS, aplicativo de enfrentamento à violência contra a mulher. O app busca dar apoio e informação de qualidade às mulheres em situação de violência, oferece um mapa com os serviços públicos de todo o Brasil e também cria uma rede de acolhimento entre mulheres.

Na categoria imprensa, que premiou reportagens que apresentaram informações e conteúdos sobre os valores de uma sociedade plural e livre de preconceitos, a jornalista e feminista decolonial Júlia de Miranda levou o 2° lugar com a reportagem d’AzMina “Heroínas negras do Brasil: cinco mulheres que todos devem conhecer”.

A publicação fez parte da campanha Pretagonistas, lançada em março, que destacou cinco mulheres negras que fizeram história no Brasil, e têm suas trajetórias pouco conhecidas. Além de lançar luz sobre essas mulheres que a nossa história machista e racista insiste em apagar, a campanha também deu cara a cada uma delas: cinco ilustradoras convidadas desenharam ilustrações para retratá-las.

A solenidade de entrega do Prêmio Respeito e Diversidade acontece no próximo dia 21 de setembro (terça), às 14h30, em um evento presencial no edifício do CNMP, em Brasília, e também será transmitida ao vivo pelo canal do Conselho no YouTube.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!