logo AzMina
17 de junho de 2021

AzMina compartilha experiências sobre dados e gênero com parlamentos do mundo todo

Elas no Congresso representou dezenas de iniciativas que usam dados públicos do legislativo brasileiro para monitorar o Congresso Nacional

Na última quinta-feira (19), AzMina participou do World e-Parliament Conference, o principal fórum internacional de boas práticas no uso de tecnologia nos parlamentos. No painel “What is open data good for?” (“Para que servem os dados abertos?”), apresentamos o trabalho do Elas no Congresso e representamos dezenas de iniciativas que usam dados públicos do legislativo brasileiro para monitorar direitos, investigar gastos públicos, traçar os perfis dos parlamentares, etc. 

Além de detalhar o processo e a metodologia usada para a construção da nossa robô e do nosso ranking, que monitoram e avaliam o desempenho parlamentar sobre os temas de gênero, pudemos compartilhar como esse trabalho, que faz uso dos dados abertos do Congresso Nacional, permite que a sociedade civil influencie de fato no processo legislativo. 

No último ano, o Elas no Congresso avaliou 649 projetos de lei, junto a 17 organizações que trabalham com os direitos das mulheres, ranqueou 675 parlamentares, e publicou mais de 12 reportagens especiais sobre como os direitos das mulheres são tratados por deputadas (os) e senadoras (es), além de mais de 40 newsletters semanais que chegam a 9 mil assinantes. 

Parlamentos do mundo todo assistiram à apresentação, que terminou com uma sessão de perguntas e respostas sobre dados abertos e transparência governamental. AzMina teve a oportunidade de compartilhar algumas recomendações para que parlamentos do mundo todo facilitem cada vez mais o acesso a dados abertos para jornalistas, organizações e toda a sociedade. 

Leia mais: Propostas desfavoráveis às mulheres podem ganhar apoio de novas lideranças no Congresso
* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Ei, você quer que o jornalismo feminista exista?

AzMina coloca tecnologia, dados e jornalismo a serviço do feminismo. Se você acredita nesse trabalho e quer que ele continue, apoie hoje o jornalismo independente que fazemos.

EU APOIO AZMINA