logo AzMina
8 de agosto de 2022

App PenhaS é divulgado em todo o país na TV Globo

Mais de 3 mil mulheres chegaram ao PenhaS após circulação do vídeo de divulgação do app

Nós fazemos parte do Trust Project

O PenhaS, aplicativo de enfrentamento à violência contra a mulher do Instituto AzMina, foi divulgado nacionalmente durante os intervalos comerciais da TV Globo. Em 27 segundos, o vídeo “Penhas: Conectar Fortalece” conscientiza sobre a violência doméstica e indica o aplicativo como um espaço seguro para buscar informação, rede de apoio e ferramentas de pedido de ajuda.  

O comercial foi exibido entre os dias 25 de junho e 9 de julho de 2022, em diversas faixas horárias, incluindo os intervalos da novela “Pantanal” e dos programas “Fantástico” e “No Limite”. A divulgação foi resultado de uma parceria com a área de responsabilidade social da TV Globo, que cede espaços, de forma totalmente gratuita, para divulgação de projetos com impacto social nos intervalos da programação. 

Durante a quinzena em que o vídeo foi exibido na emissora, houve um crescimento de mais de 40% no número de usuárias do app, com cerca de 3 mil novos cadastros. Além de mulheres em situação de risco, o PenhaS é destinado para qualquer pessoa disposta a combater a violência doméstica. Baixe o app gratuitamente para iOS (aqui) e para Android (aqui).

“Muitas mulheres demoram a reconhecer que estão em uma relação abusiva. O PenhaS acolhe, conscientiza sobre as violências sofridas e informa sobre os direitos das vítimas para que elas rompam o ciclo da violência com autonomia”, explica Marília Moreira, coordenadora do PenhaS, do Instituto AzMina. 

Hoje o app tem usuárias cadastradas presentes  em 1.699 municípios,  mais de 1/4 das cidades brasileiras. Com o comercial, o PenhaS atingiu usuárias em 400 novas cidades, em diferentes regiões do país. Esse número ganha ainda mais relevância diante do fato de o  Brasil contar apenas com 400 delegacias da mulher ou núcleos de atendimento especializado em delegacia comum, distribuídas em 374 cidades — o que cobre somente 7% do país, conforme revelou levantamento de 2020, feito durante a pandemia, pela Revista AzMina. 

O aplicativo PenhaS acolhe mulheres em situação de violência doméstica, oferece a possibilidade da construção de uma rede de apoio e ferramentas para pedido de ajuda, sendo uma pequena esperança na quebra do ciclo da violência para muitas delas. Além de informação, com uma área com reportagens sobre o tema e mapa onde é possível traçar a rota até uma delegacia ou serviço de atendimento mais próximo; o app oferta acolhimento, por meio de um chat e de um feed de interação em que é possível conversar com a equipe d’AzMina e com outras voluntárias do aplicativo; e pedido de ajuda, com um botão de pânico para acionar cinco pessoas da rede confiança da usuária, um botão para ligar para a polícia e um gravador para produção de provas. 

Os atendimentos feitos pela equipe do Instituto AzMina são feitos levando em conta os territórios onde essas mulheres estão, já que a principal orientação é o encaminhamento à rede pública de assistência às mulheres vítimas de violência, principalmente aos serviços de assistência social, jurídica e psicológica.

Lançado em 2019, o app tem se tornado referência no enfrentamento à violência doméstica, inclusive para órgãos públicos: a Casa da Mulher Brasileira de São Paulo e o Fórum da Barra Funda, ambos em São Paulo, indicam o PenhaS em suas medidas protetivas para mulheres vítimas de violência. O projeto também venceu os prêmios Respeito e Diversidade, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), e o Rompa, do Tribunal de Justiça de SP, ambos em 2021. 

Sobre o Instituto AzMina

O Instituto AzMina é uma instituição sem fins lucrativos cuja missão é usar informação para combater os diversos tipos de violência que atingem mulheres brasileiras. Realiza campanhas, consultorias, palestras e debates para aprofundar a discussão sobre os direitos da mulher.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Faça parte dessa luta agora

Tudo que AzMina faz é gratuito e acessível para mulheres e meninas que precisam do jornalismo que luta pelos nossos direitos. Se você leu ou assistiu essa reportagem hoje, é porque nossa equipe trabalhou por semanas para produzir um conteúdo que você não vai encontrar em nenhum outro veículo, como a gente faz. Para continuar, AzMina precisa da sua doação.   

APOIE HOJE