logo AzMina

Violência contra a mulher: por que só prender o DJ Ivis não é a solução?

Caso de violência ajuda a lembrar que não é possível falar em combate à violência sem o feminismo

As agressões cometidas pelo DJ Ivis contra a influencer e arquiteta Pamella Hollanda foram um dos principais assuntos da semana. Ela divulgou no domingo vídeos com imagens feitas com uma câmera de segurança, onde é possível ver o agressor dando socos, chutes, empurrões e puxões de cabelo em Pamella, que na maioria das vezes, está acompanhada da filha recém nascida do casal. Na quinta-feira, 14, ele foi preso. 

Mas será que a prisão resolve o problema?

No vídeo, explicamos porque no combate à violência contra a mulher, falar apenas em punir o agressor é insuficiente e como é essencial ter um olhar feminista para a questão. Já imaginou se mudássemos o foco deles, para elas nesse debate?

No ano passado, mostramos que um terço dos projetos de lei que tentam modificar a Lei Maria da Penha optam pelo caminho do punitivismo. Para especialistas que trabalham com o tema da violência contra a mulher, as proposições estritamente punitivistas agem no sentido contrário do que a lei busca: elas afastam as mulheres da rede de proteção. Com medo de verem os agressores, com quem na maior parte das vezes mantém laços de afetos, severamente punidos, elas desistem de denunciá-los. 

“Quando criamos o punitivismo muito forte nos afastamos da vítima. É o Estado que pune o agressor, mas é a mulher quem o denuncia. Colocamos sob a mulher uma responsabilidade que a afasta da denúncia”, explica Marilia Montenegro, professora da Unicap e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e pesquisadora do grupo Asa Branca de Criminologia.

Saiba mais: Encontre a delegacia da mulher mais próxima de você

E é importante lembrar que mesmo nos casos onde há denúncia e encarceramento do agressor, isso não é garantia de que a mulher estará protegida. AzMina já mostrou que os muros da prisão nem sempre são capazes de conter agressões. Que nesses casos podem se tornar ameaça.

Leia também: Por que você combate a violência contra as mulheres?

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!