logo AzMina

Revista AzMina lança Penhas, aplicativo para enfrentamento da violência contra a mulher

App conta com pedido de ajuda urgente, produção de provas, rota para acolhimento e diálogo com outras mulheres
por Helena Bertho
8 de março de 2019

No Dia Internacional das Mulheres a Revista AzMina lança o PenhaS, um aplicativo de enfretamento à violência contra a mulher. Ele permite o diálogo em ambiente seguro e a criação de um grupo de proteção para pedido de ajuda emergencial, além de oferecer informação sobre direitos e rede de proteção à mulher.

“Há muito o que se fazer para acabar com o abuso contra mulheres e o PenhaS é uma das iniciativas para colaborar com a causa do enfrentamento da violência. Acreditamos que a pessoa ou grupo empoderado é o sujeito da própria mudança”, afirma a jornalista Marília Taufic, coordenadora voluntária do projeto da AzMina.

Leia mais: Apoio de uma amiga pode salvar uma vítima de violência. Saiba como ajudar

Como funciona o app?

Nomeado em referência à Lei Maria da Penha, o app é dividido em três áreas.

O GritaPenha é um ambiente para o pedido de ajuda urgente e produção de provas. Nele, as mulheres podem cadastrar o número de até cinco pessoas de sua confiança para receberem SMS com pedido de ajuda em caso de urgência. Também é possível ativar uma gravação de áudio para criar oportunidade da vítima produzir provas e evitar o descrédito, tão comum no momento da denúncia formal.

Já o DefendePenha é um chat de apoio que permite que as mulheres dialoguem de forma anônima com outras usuárias do aplicativo, já que a conversa é uma das formas mais poderosas de ajudar uma mulher a sair de uma situação de violência.

Por fim, sabendo que reconhecer a violência e conhecer seus direitos é essencial para conseguir escapar, o app tem o EmpoderaPenha, um espaço de conhecimento. Ali as mulheres podem encontrar informações básicas sobre direitos e um feed de notícias sobre a violência contra a mulher com colaboração de agências de comunicação como o Huffpost, Jota e Agência Patrícia Galvão.

É nessa área do aplicativo também que está o mapa das delegacias da mulher, produzido em reportagem da Revista AzMina, e de outros serviços do Mapa do Acolhimento, permitindo traçar uma rota até o local.

Leia mais: Violência contra mulher: O pedido de socorro que vem do celular

“Informação e formação de redes  de proteção podem ajudar mulheres a saírem de relacionamentos abusivos e incentivá-las a procurar ajuda”, diz Carolina Oms, co-fundadora d’AzMina.

Todos os cadastros no app são realizados com checagem de CPF e verificação de número de celular para que não exista possibilidade da criação de perfis falsos e abusivos. Esses dados são de uso exclusivo do aplicativo e não ficam públicos. Mulheres que estão sofrendo violência podem usar o aplicativo de maneira anônima.

O acesso é por meio de senhas com sistema de criptografia. O app também possui dispositivo de segurança para evitar que um abusador acesse o conteúdo. Ele está disponível para Android e, em breve, para iOS.

App pensando a partir de vivências reais

O PenhaS vem sendo desenvolvido há mais de um ano sob a coordenação de Marília Taufic com a mentoria de especialistas no tema como a promotora de Justiça Silvia Chakian, do Grupo de Enfrentamento a Violência Doméstica (GEVID) do Ministério Público de São Paulo. O conteúdo do app, uma importante ferramenta de conscientização da causa da violência feminina, está das mãos de Carolina Oms, fundadora da Revista AzMina.

“O enfrentamento da violência contra a mulher não se restringe apenas à questão do combate, mas compreende também as dimensões de prevenção, da assistência e da garantia de direitos das mulheres e o PenhaS se destaca por conseguir reunir todas essas frentes”, afirma Chakian.

Uma importante parte do processo de elaboração do projeto foram as rodas de conversa com mais de 30 mulheres de diferentes idades e classes sociais, que você pode conferir no vídeo no início do texto.

Leia mais: O que a delegacia da mulher pode – e deve – fazer por você (e também o que não deve)

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher