logo AzMina

Como os adolescentes lidam com sexo e identidade de gênero?

A Geração Z nasceu no mundo digital e parece não ter amarras para falar publicamente de sexualidade. Mas será que a liberdade para se definir como quiser vem acompanhada de informação?

Você já viu algum vídeo de adolescente falando sobre sua sexualidade nas redes sociais? Sim, isso está acontecendo! Basta uma busca simples pela internet para encontrar perfis de pessoas da geração Z que declaram publicamente suas identidades de gênero.

Os adolescentes de hoje também têm revelado cada vez mais cedo para seus pais que não se enquadram no padrão cishéteronormativo. E esse comportamento é novo, se a gente comparar com as gerações anteriores, pois por mais que os millennials tenham travado importantes batalhas pelos direitos da população LGBTQIA+, eles só falavam de sexualidade nas rodas de amigos próximos e muitos só contaram para os pais que eram gays, por exemplo, quando se tornaram adultos.

Esperar até a maioridade para falar que pan, gay, bi ou hétero é algo cada vez mais raro para a geração Z, que já nasceu no mundo digital e está acostumada a compartilhar suas experiências com a internet inteira. Nos Estados Unidos, por exemplo, 1 em cada 6 jovens nessa faixa etária se declararam LGBTQIA+, de acordo com levantamento.

Só que a liberdade de se dizer o que é nem sempre está associada à informação. Uma pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Urologia mostrou que 44% dos adolescentes não usaram preservativo na primeira relação sexual. E a maioria deles disse nem saber como usar uma camisinha. É isso que a gente discute no “Mas Vocês Veem Gênero em Tudo”. Assista!

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!