logo AzMina

Como os adolescentes lidam com sexo e identidade de gênero?

A Geração Z nasceu no mundo digital e parece não ter amarras para falar publicamente de sexualidade. Mas será que a liberdade para se definir como quiser vem acompanhada de informação?

Você já viu algum vídeo de adolescente falando sobre sua sexualidade nas redes sociais? Sim, isso está acontecendo! Basta uma busca simples pela internet para encontrar perfis de pessoas da geração Z que declaram publicamente suas identidades de gênero.

Os adolescentes de hoje também têm revelado cada vez mais cedo para seus pais que não se enquadram no padrão cishéteronormativo. E esse comportamento é novo, se a gente comparar com as gerações anteriores, pois por mais que os millennials tenham travado importantes batalhas pelos direitos da população LGBTQIA+, eles só falavam de sexualidade nas rodas de amigos próximos e muitos só contaram para os pais que eram gays, por exemplo, quando se tornaram adultos.

Esperar até a maioridade para falar que pan, gay, bi ou hétero é algo cada vez mais raro para a geração Z, que já nasceu no mundo digital e está acostumada a compartilhar suas experiências com a internet inteira. Nos Estados Unidos, por exemplo, 1 em cada 6 jovens nessa faixa etária se declararam LGBTQIA+, de acordo com levantamento.

Só que a liberdade de se dizer o que é nem sempre está associada à informação. Uma pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Urologia mostrou que 44% dos adolescentes não usaram preservativo na primeira relação sexual. E a maioria deles disse nem saber como usar uma camisinha. É isso que a gente discute no “Mas Vocês Veem Gênero em Tudo”. Assista!

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA