logo AzMina

16 filmes e séries com personagens sapatão para ver em casa

Uma lista para conhecer novos filmes, séries e ver personagens lésbicas com histórias interessantes no audiovisual
por Letícia Ferreira
25 de agosto de 2020

Falar em visibilidade lésbica passa também por ter histórias de mulheres sapatão representadas nas telas sem reforçar estereótipos. E apesar de ainda existirem muitos preconceitos, podemos celebrar que cada vez mais as produções audiovisuais têm trazido para suas narrativas personagens lésbicas.

Se infelizmente há produções em que sapatão só aparece para viver histórias que terminam em tragédia ou, pior, que se resumem a sexo, em uma fetichização da lesbianidade, podemos celebrar que também há oposto.

Para celebrar o mês da visibilidade lésbica, preparamos uma lista de filmes e séries que conversam com os dilemas comuns entre várias mulheres lésbicas, construindo histórias mais representativas e positivas. Mostrando que ser lésbica não é uma caixinha, mas uma enorme diversidade de sentir, de escolhas de famílias, de formas de viver a sexualidade e também de luta para conquistar espaços e desafiar o preconceito.

Ek Ladki Ko Dekha Toh Aisa Laga

Até 2018, a homossexualidade era crime na Índia. E exatamente seis meses após a descriminalização, foi lançado o primeiro filme de Bollywood, a indústria cinematográfica indiana, com protagonista lésbica. E o filme é realmente bem Bollywood: uma história de amor musical. São muitos os filmes ocidentais que retratam a cultura indiana a partir das famílias que escolhem os noivos de suas filhas. Nessa produção, mais um pai tenta casar a sua filha com um solteirão galã, mas ela demonstra que está apaixonada por outra pessoa. Com o jeitinho de Bollywood este filme mostra como essa família acolhe a filha que ama outra mulher. Disponível na Netflix.

Leia mais: Conheça a história da luta das lésbicas brasileiras

Elisa & Marcela

A união religiosa entre duas mulheres professoras galesas, celebrada em 1901, nunca foi anulada. É essa história que a diretora de cinema Isabel Coixet conta no filme Marcela e Elisa. As duas protagonistas do filme em preto e branco se conheceram quando eram estudantes. Para viver o romance e despistar rumores, Elisa se transforma no seu primo falecido Mário e assim a igreja não desconfia que o casal não se tratava de um homem e uma mulher. Disponível na Netflix. 

Desobediência

A fotógrafa londrina Ronit, que mora em Nova York, volta à sua cidade natal após a morte do seu pai, um rabino prestigiado. Ela reencontra seus amigos e o seu primeiro amor de infância, Esti. Além de estar envolvida com a comunidade ortodoxa, ela é casada com o primo de Ronit. A trama mostra o desejo e a paixão entre as duas em meio às tradições religiosas. É possível alugar o título no Youtube Filmes.

Leia mais: 12 séries e filmes com temática lésbica para assistir na Netflix

Retrato de uma jovem em chamas

A diretora Céline Sciamma escolhe a França do século XVIII para mostrar como duas mulheres descobrem e vivem o desejo que sentem uma pela outra. Uma jovem pintora aceita a proposta de trabalho para pintar o retrato de Héloïse, que vai se casar, mas sem que ela saiba. A artista Marianne passa dias ao lado da jovem para observá-la e conseguir levar seus traços para o quadro, disfarçada de acompanhante, e elas acabam se apaixonando. Feito só de personagens femininas, o filme traz um olhar delicado sobre a realidade feminina da época. Disponível no Telecine Play.

Feel Good

Num misto de humor ácido e drama, mas com muita sensibilidade, a série de origem britânica aborda questões como dependência de drogas, identidade e sexualidade a partir da história da Mae, uma jovem comediante que trabalha com stand-up e se relaciona com uma britânica, que tem dificuldades para falar com sua família e amigos sobre sua sexualidade. Disponível na Netflix.

SEPTO

Primeira série brasileira produzida e filmada em Natal, no Rio Grande do Norte, SEPTO conta a história de Jéssica, uma triatleta de carreira promissora que tem a vida controlada pelo pelo pai, e a surfista Lua, professora de uma ONG. Elas se conhecem em uma manhã de treino de Jessica, que foi convocada para as Olímpiadas. A triatleta passa mal em mar aberto e é socorrida por Lua. A série tem três temporadas e você pode assistir aqui.

Leia mais: Visibilidade Lésbica: Orgulho e preconceito

Você nem imagina

O filme conta a história de Ellie Chu, uma garota nerd que vive rodeada de livros e ouvindo músicas. Ellie precisa fazer um dinheiro extra para ajudar seu pai com as despesas e usa sua habilidade com a escrita para fazer redações e trabalhos dos seus colegas. É assim que ela começa a ajudar Paul a escrever cartas de amor para Ester, mas a jovem nerd também se apaixona pela crush do Paul. Assista na Netflix.

O mau exemplo de Cameron Post

A jovem Cameron Post é flagrada pelo seu namorado em uma relação sexual com a sua melhor amiga no baile de formatura, em 1993. Sua família decide enviá-la para um centro religioso que promete curar jovens que têm atração por pessoas do mesmo sexo, usando métodos como rejeitar o termo homossexualidade. Em meio ao centro e a essa espécie de “cura sapatão”, a adolescente começa uma jornada de autoconhecimento.

A bela estação (la belle saison)

Jovem filha de fazendeiros, Delphine saí do interior da França e se muda para Paris, onde conhece Carole, uma mulher engajada e envolvida com movimentos feministas. A vida sem a família, com liberdade e independência na capital, traz novas perspectivas para Delphine, que se apaixona por Carole. A jovem volta para a casa da sua família no campo e Carole decide acompanhá-la. Juntas, elas enfrentam uma nova realidade em um ambiente mais conservador.

Generation Q

Você já deve ter ouvido falar de The L World, a série do início dos anos 2000 que formou uma geração de mulheres lésbicas. Para satisfazer as fãs, a produção ganhou uma sequência. Generation Q apresenta a história de personagens LGBTQIA, entre elas várias mulheres lésbicas, que vivenciam o amor, a decepção, o sexo, sucesso e os desafios de viver em Los Angeles. Assista na Amazon Prime.

Flores Raras

Produção brasileira, flores raras conta a história da tímida poetisa Elizabeth Bishop que viaja para o Rio de Janeiro em busca de novas inspirações. Ela vive alguns dias na casa de sua amiga de faculdade, Mary, que divide a casa com com Lota de Macedo Soares, uma arquiteta brasileira vivida por Glória Pires. Bishop e Soares não se dão bem em um primeiro momento, mas ao longo da trama, se apaixonam.

Leia mais: Os caminhos da maternidade lésbica

RED

Essa websérie brasileira conta a história de duas atrizes, Liz Malmo e Mel Béart, que se conhecem durante as filmagens de um curta-metragem. Elas se apaixonam e levam o romance entre as personagens para as suas vidas. Mas não só de amor fala a série, abordando outros temas, como o ex-marido de Mel e o vício em drogas de Liz. Disponível no Vimeo.

Pariah

Esse filme conta a história de Alike, uma jovem negra norte-americana de 17 anos que convive com muitos problemas para a sua idade. Ela vive com o dilema de expressar a sua sexualidade ou seguir o planos de sua família, além de tentar superar a sua baixa autoestima. Disponível para aluguel no Looke.

Leia mais: Saúde sexual da mulher lésbica

Almas gêmeas

Duas adolescentes criam um mundo fantástico para viver, como um conta de fadas. Uma amizade obsessiva nasce entre elas, o que deixa seus familiares preocupados e termina em assassinato. O filme é baseado em uma história real que chocou a Nova Zelândia. 

I am not ok with this

Uma adolescente vive as transformações da vida durante o ensino médio e aprende a conviver com as dificuldades da sua família após a morte do seu pai, ao mesmo tempo em que começa a perceber que tem superpoderes. Somando a tudo isso, ela começa a descobrir a sua sexualidade, depois de perceber que sente ciúmes da sua melhor amiga que começou a namorar. Disponível na Netflix.

LGBTFLIX

A plataforma reúne filmes e séries comerciais e independentes com personagens LGBTQIA+. Os títulos são separados por letras, por isso, acesse a aba “L” para encontrar todas séries e filmes com personagens sapatão.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente, já ganhou prêmios e tem mais de quatro anos de impacto na vida de milhares de mulheres. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo sério e responsável que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e livre para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher