logo AzMina

Saúde sexual
da mulher lésbica

Lésbicas e DSTs: manual da saúde sexual para mulheres que transam com mulheres
    29 de agosto de 2019

    Imagine a cena: duas mulheres estão no quarto, trocando carícias, cheias de tesão, tiram a roupa e então… Uma delas vai até a cozinha pegar o rolo de plástico filme para colocar sobre a vulva da parceira e garantir que elas façam sexo seguro. 

    Pois é, uma cena que não parece nada sexy, nem prática. Mas que tem sido a principal orientação que mulheres lésbicas encontram sobre prevenção de doenças que podem ser transmitidas no sexo. Isso, quando encontram alguma orientação. Porque existe também uma ideia geral de que em uma transa com duas vaginas, não há risco de transmissão. 

    “É mito que as mulheres lésbicas estão protegidas contra as ISTs [infecções sexualmente transmissíveis], e é muito importante falar sobre isso”. As palavras da ginecologista Bruna Wunderlich lembram que sexo entre mulheres pode, sim, transmitir doenças e que a falta de informação sobre isso só aumenta a exposição a riscos. 

    Um estudo do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids, de 2012, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, mostrou que só 2% das lésbicas se previnem contra as ISTs. Algo que passa pela desinformação, mas também pela ausência de métodos de proteção desenvolvidos especificamente para elas. 

    E, apesar da prevenção dificilmente acontecer, os riscos são reais: uma pesquisa realizada pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) em 2017 com 150 mulheres que se relacionam mulheres mostrou que 47,3% delas tinham algum tipo de IST.  

    Os motivos para esse assunto ainda ser tabu passam pela invisibilidade e preconceito em relação às relações lésbicas e também à sexualidade feminina. Para combater isso, reunimos aqui as principais informações sobre as doenças, prevenção e também acompanhamento ginecológico.

    As doenças e o sexo

    Antes de começar, é preciso explicar que hoje em dia se usa a expressão Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) ao invés de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), porque às vezes a pessoa pode ser infectada, mas não manifestar a doença. Mas como popularmente é muito mais comum se ouvir falar de DSTs, vamos usar esse termo, para facilitar a compreensão. 

    Existe um imaginário de que a transmissão de doenças está ligada à penetração durante o sexo. No entanto, essa é só uma das formas possíveis de passar uma doença. Sexo oral, contato entre mucosas e com o sangue são outras. 

    “Sífilis, herpes genital e verrugas genitais têm a ver com contato de mucosa. E todas as vezes que eu tenho contato de mucosas, seja entre dois órgãos sexuais ou da boca com um órgão sexual, isso transmite”, explica Thais Machado Dias, médica de família e comunidade do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde e do Instituto Iris. 

    Então, para não reforçar preconceitos, é importante destacar que falar em transmissão de DSTs não tem a ver com a orientação sexual das pessoas (heterossexual, bissexual, homossexual, entre outras) e sim com as práticas sexuais. O que isso quer dizer? 

    Quer dizer que existem infecções que são transmitidas pela prática da penetração, outras pela prática do sexo oral e outras pelo contato da mucosa, ou por mais de uma dessas formas juntas. E tanto pessoas heterossexuais quanto homossexuais podem ter qualquer uma dessas práticas, afinal a sexualidade humana é complexa e pode envolver um monte de práticas. 

    Leia mais: 7 coisas sobre sexo entre mulheres que todo mundo devia saber

    Mulheres lésbicas podem usar acessórios ou os dedos para penetração, assim como um casal heterossexual pode praticar o sexo oral. Além disso, podem se envolver com mulheres bissexuais, que se relacionam ou relacionaram com homens. E existem ainda mulheres lésbicas e bis trans que não passaram por redesignação sexual e têm um pênis.

    Por isso, para analisar os riscos de contágio de doenças, é importante pensar em como elas são transmitidas, não na orientação sexual das pessoas. É importante destacar essa diferença para não se reforçar estereótipos e preconceitos como os homens gays sofreram na década de 1980 com a descoberta da aids, por exemplo.

    Na tabela abaixo, mostramos as principais formas de transmissão das DSTs mais comuns. 

    Vale ressaltar que quando falamos de sangue, estamos falando tanto de transar menstruada, quanto de machucados que possam estar ativamente sangrando. 

    “A transmissão das doenças aumenta quando há uma fissura ou um corte que rompa a base da mucosa”, diz a ginecologista Thaila Maia. Então se houver um machucadinho na vulva, na boca ou no dedo, o risco fica maior. 

    Sobre o HPV, Thais Machado Dias explica  que existem dezenas de tipos desse vírus e o mais visível e fácil de diagnosticar são as verrugas genitais. E quando as verrugas estão presentes, o risco de transmissão do vírus aumenta. 

    Por fim, todas as entrevistadas disseram que sim, é possível a transmissão do HIV, vírus responsável pela AIDS, entre mulheres. No entanto, isso é pouco comum, pois a concentração do HIV nos fluidos vaginais é muito menor do que no esperma. 

    E como fazer a prevenção?

    Certo, então as relações entre mulheres podem transmitir DSTs. Mas como é feita a prevenção? 

    Aí está o desafio: não existem métodos pensados especificamente para o sexo lésbico. “É muito frustrante porque, mesmo que não tenhamos tanta chance de pegarmos AIDS, temos risco de pegar outras doenças, como sífilis ou HPV, mas não temos nenhum tipo de método que nos proteja”, diz a estudante, L.M., 22, que preferiu não se identificar. 

    Ela conta que já leu formas alternativas, como cortar camisinha ou luvas cirúrgicas para proteger a vulva, mas considera os métodos ruins. “Isso não é nada prático e também ninguém gosta de ficar lambendo uma luva cirúrgica. Algumas camisinhas têm gosto, sim, mas ainda falta a questão da praticidade: ninguém com tesão vai ficar desmontando e cortando camisinha, e tendo cuidado de não deixar sair do lugar”, explica. 

    Leia mais: Por que a sexualidade da mulher é tratada como uma questão de saúde?

    A camisinha feminina, inclusive, também não resolve a questão, pois ela protege apenas o canal vaginal e não a área externa da vulva. Sem falar no quanto é um produto difícil de encontrar: la é oferecida gratuitamente em unidades de saúde, mas em farmácias nem sempre estão disponíveis.

    A médica Thais Machado afirma que “são instrumentos adaptados e que as mulheres relatam que são desconfortáveis”. Ela sugere que, além de usar esses métodos de prevenção improvisados, a mulher use o olhar para identificar se há alguma ferida ou verruga na parceira. A médica também recomenda fazer acompanhamento ginecológico constante e a troca de exames com a parceira.

    Mas ela lembra: “Não existe sexo 100% seguro. Existe um sexo mais seguro e não seguro em si. A gente vai transitando nessa zona cinzenta entre o polo da segurança e de insegurança total”. 

    Para evitar entrar nessa zona da insegurança total, veja na imagem abaixo quais são as opções de cuidado para prevenir DSTs que as lésbicas têm à disposição atualmente no Brasil. 

    O dental dam, mencionado no gráfico, é um produto usado por dentistas. Uma espécie de lenço de látex que é colocado sobre a boca para isolar os dentes. Em alguns países, ele já é vendido especificamente para o sexo entre mulheres. Mas no Brasil ainda é difícil de encontrar. 

    Já a calcinha de látex é hoje produzida no Brasil pela Azza Hotelaria com o nome de Calcinha de Vênus. Ela é um lingerie de renda, mas a frente é feita de látex transparente para permitir a sensibilidade tanto no sexo oral quanto no contato entre vulvas. Segundo a fabricante, cada calcinha pode ser usada até oito vezes, com higienização com sabão neutro. Os preços variam de acordo com o modelo e tamanho, indo de R$ 10 a R$ 28 e os pedidos podem ser feitos pela página de Facebook do produto. 

    Ginecologia sem preconceito

    Falar de prevenção de doenças sem falar em acompanhamento médico é impossível. E no caso das mulheres lésbicas, surge aí mais um desafio: o preconceito dos profissionais de saúde. 

    A jornalista Camila Ramos, 30, teve de lidar com isso. Em uma consulta com um novo ginecologista, quando disse que tinha namorada, ouviu do profissional: “então sai daqui”. Ele acabou falando para ela ficar, mas passou o resto da consulta agindo de maneira preconceituosa. 

    “Ele perguntou se eu já tinha tido relação heterossexual. Como achei que fosse relevante para a consulta, respondi que sim. A resposta dele foi: ‘Poxa, mas foi tão ruim assim?’, conta. Camila chegou a entrar com uma denúncia administrativa contra o médico, mas acabou não levando o processo para frente. O episódio, no entanto, até hoje gera medo nela quando vai procurar um ginecologista. 

    Além das questões morais e simbólicas do preconceito dos profissionais de saúde, muitas mulheres lésbicas deixam de ir ao ginecologista por conta da realização de exames desnecessários ou de forma violenta. 

    Leia mais: Ginecologia natural: mais do que ervas, é sobre autonomia e autoconhecimento

    “Estudos mostram que as relações entre pacientes lésbicas e seus profissionais de saúde podem representar grandes barreiras para o rastreio das doenças ginecológicas”, afirma afirma a ginecologista Bruna. Segundo ela, os profissionais não têm conhecimento do risco das doenças nesta população, falham em obter um histórico sexual completo e não promovem um ambiente acolhedor para que as lésbicas se sintam à vontade para contar sobre sua orientação sexual. “Ou seja, o profissional da saúde é grande parte do ciclo que perpetua a violência e discriminação contra essas mulheres”, afirma.

    É importante ressaltar que mulheres que transam com mulheres precisam fazer acompanhamento médico como qualquer mulher. “A gente tem preconizado há alguns anos que qualquer pessoa com vida sexual ativa tem que fazer o rastreamento de doenças sexualmente transmissíveis uma vez por ano”, explica a média Thais.  

    Um dos exames que podem ficar um pouco diferente para as lésbicas é o papanicolau. As especialistas afirmam que qualquer pessoa que já teve penetração, mesmo que há muito tempo, precisava fazer esse exame. Para fazê-lo é usado um espéculo (aparelho médico inserido na vagina para permitir a visualização e coleta do exame). 

    “Se essa mulher nunca colocou nada na vagina dela voluntariamente, nem um vibrador, nem um dedo, não vou ser eu que vou colocar um espéculo. E a gente tem que pensar na penetração de uma maneira mais ampliada e não falocêntrica”, diz Thais. Ela ainda complementa que depois de dois exames de papanicolau normais, com um intervalo de um ano entre eles, a mulher pode repetir a cada três anos. 

    Se a mulher nunca teve penetração, é feito apenas o exame físico sem a inserção do espéculo. Por isso, é muito importante que o médico pergunte à mulher se ela já teve ou não penetração antes de examiná-la. 

    Existe ainda uma outra questão a ser lembrada que é o planejamento familiar. “Prestadores de serviços de saúde reprodutiva e serviços de planejamento familiar devem considerar que qualquer paciente, mesmo que esteja grávida, pode ser lésbica ou bissexual”, afirma Bruna Wunderlich. 

    Apoie AzMina

    A Revista AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

    Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

    Apoie AzMina

    Apoie o jornalismo em defesa da mulher