logo AzMina
28 de abril de 2017

Mulheres, por que greve geral?

São as mulheres as mais afetadas pela reforma trabalhista e da previdência. Devemos falar em aposentadas e trabalhadoras. Sabe por quê? Leia no texto de Débora Diniz
Crédito Marcelo Camargo / Agência Brasil

São as mulheres as mais diretamente afetadas pela reforma da previdência e do trabalho. Devemos falar em aposentadas e trabalhadoras. Sabem por quê?

Porque somos nós a cuidar das crianças, da casa, dos velhos. Há prazer na maternagem e no cuidado da dependência, mas há também deveres que deveriam ser socialmente compartilhados e protegidos.

Para uma mulher cuidar das crianças é preciso que tenha segurança nos vínculos de trabalho, é preciso que os anos em que saia do mercado formal sejam reconhecidos como de trabalho de maternagem, que as múltiplas jornadas de trabalho sejam contadas para a diferença na idade de aposentadoria.

Erra quem diz que lutamos por direitos iguais e, agora, estaríamos reclamando privilégios.

Idade diferenciada ou tempo de contribuição diferenciada na aposentadoria não é tratar a previdência como instrumento de correção das desigualdades entre homens e mulheres: é proteger as famílias e as crianças. É falar de interesses coletivos.

Sim, queremos uma vida familiar e social diferente, em que homens e mulheres, igualmente, cuidem das crianças ou dos idosos, da louça e do supermercado, trabalhem na casa e na rua. Mas não é esta a sociedade brasileira do passado nem do presente.

Mudanças na previdência alteram direitos de pessoas que viveram formas de distribuição do cuidado e do trabalho no passado – alterá-las sem transição ou sem um reconhecimento claro das diferenças sociológicas entre homens e mulheres na vida da família é um erro. Mas acima de tudo: é uma injustiça. E não só para as mulheres, mas para as famílias.

 

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!