logo AzMina
18 de junho de 2019

É muito difícil que a Seleção não siga na Copa

Jogando hoje contra a Itália, a equipe brasileira tem chances de passar para as oitavas até com uma derrota

Hoje é dia de classificação sim ou com certeza? Mas, afinal, quais as chances da nossa seleção carimbar a vaga para a próxima fase do Mundial? As vibrações são as melhores possíveis e o jogo contra Itália não será moleza. Jogando contra nós, pesa a ausência da experiência e qualidade de Formiga, mas em seu lugar, a consagrada Andressinha. E o que mais vamos precisar, além do bom futebol no pé e muita concentração?

Se vencermos, automaticamente estaremos classificadas.

Se empatarmos, vamos depender de alguns resultados. Neste caso, é pouco provável que a seleção fique no segundo lugar do Grupo C, somente caso a Austrália perca para a Jamaica. Se as Matildas ganharem, caímos para terceiro, mas manteríamos o saldo de dois gols pró, assim poderíamos passar, pois também passam para as oitavas os quatro melhores terceiros, entre os seis grupos.

Mesmo com uma derrota nem tudo estará perdido. Isso porque a terceira rodada acaba só na quinta-feira e uma combinação de resultados também levaria o Brasil para as oitavas. Neste cenário, para o Brasil passar, bastam dois terceiros colocados terem campanhas inferiores. O terceiro colocado no Grupo A Nigéria, tem 3 pontos, o mesmo do Brasil, porém com dois saldos negativos de gols e já fez o seu terceiro jogo.

As possibilidades mais factíveis do Brasil passar mesmo com derrota amanhã encontra-se na combinação de resultados dos jogos nos Grupos E e F. A pontuação destes grupos no momento mostra dois times com seis pontos e dois com zero.

Em ambos os grupos, os dois times zerados se enfrentam. No grupo E, Camarões (com -3 de saldo de gol) joga com a Nova Zelândia (também com -3). Enquanto no grupo F, Chile (com -5) enfrenta a Tailândia (-17). Como a Seleção Brasileira possui saldo positivo de dois gols, apenas uma derrota com um placar muito elástico, associado a uma vitória também com placar elástico em alguns dos dois duelos acima tiraria nossa vaga.

Ufa! Muitos números, mas muitas chances. E elas precisam da nossa torcida.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA