logo AzMina

5 dicas para uma quarentena feminista

por Luisa Toller
23 de março de 2020
Em tempos de crise, precisamos nos unir para seguir as orientações de quarentena e continuar lutando contra o patriarcado

O feminismo está o tempo todo debatendo e lutando contra a divisão sexual do trabalho e a precarização do trabalho das mulheres. Mas é em tempos de crise, como a atual da pandemia do coronavírus, que fica mais evidente como essas opressões funcionam e ainda mais necessário nos unir para atravessar esses tempos difíceis.

Então aí vão cinco dicas para você seguir as orientações de quarentena e continuar lutando contra o patriarcado:

1. Dê condições para que todas façam quarentena

Se você está trabalhando em casa, permita que as pessoas que te prestam serviço também façam quarentena. Terapeutas, professores de exercícios físicos e principalmente faxineiras e diaristas.

Para isso é importante que você continue remunerando essas pessoas, em sua maioria mulheres, que vão continuar precisando de dinheiro para se sustentar.

Leia mais: Como evitar que domésticas sejam uma incoerência feminista?

2.  Divida as tarefas domésticas

Hoje, mais do que nunca, divida as tarefas domésticas. Filhos sem escola? Adultos trabalhando em casa? Ajudante dispensada (sem descontar pagamento)? Não pode sobrar tudo para uma mulher!

Que sejam divididas as funções de faxina, compras, cozinha, louça, arrumação, roupas, lixo e entretenimento.

Ah, e uma dica específica para os homens: proatividade. Nada de ter que ser lembrado pela mulher sobre o que precisa ser feito para a casa ou para as crianças. Carga mental agradece. 

3. Rede de apoio para mães

Faça parte da rede de apoio de mães. Se ofereça para trazer compras de mercado e farmácia, ou para cuidar das crianças caso esta mulher precise de algumas horas para trabalhar em paz – ou quem sabe dormir?

Conteúdo para entreter os filhos? Ótimo! Mas proatividade aí também cabe. Porque uma mãe sobrecarregada não precisa de mais funções como ter que proporcionar várias brincadeiras por dia com uma variedade de materiais que ela provavelmente não vai ter em casa. 

Leia mais: Mães solo têm lugar central na inédita renda emergencial

4. Fique atenta a sinais de violência doméstica

Fique de olhos e ouvidos abertos na vizinhança e ofereça apoio – incluindo estadia – caso tenha alguma amiga, familiar ou vizinha esteja em situação de violência doméstica. Na China o isolamento por quarentena provocou um aumento de casos de violência doméstica.

Lembrando que a violência não é só física, ela pode ser também sexual, psicológica, moral e patrimonial.

Se você está sofrendo violência, baixe o aplicativo PenhaS, onde pode ter acesso a informações sobre delegacias da mulher, conversar de maneira anônima, produzir provas contra o agressor ou até traçar sua rota até pontos de acolhimento.

Leia mais: Violência doméstica: o que é e quais são os tipos

5. Fortaleça o trampo de mulheres

Procure fortalecer o trabalho de outras mulheres que vendam comida, cursos, produtos ou conteúdos artísticos. Pode ser apoiando financeiramente, se você tiver condições, ou mesmo divulgando o trabalho. Vamos garantir a autonomia financeira de todas.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente, já ganhou prêmios e tem mais de quatro anos de impacto na vida de milhares de mulheres. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo sério e responsável que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e livre para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher