logo AzMina

Campanhas d’AzMina ganham cinco troféus em Cannes

Em uma delas, colocamos os números do machismo nas costas dos jogadores do Cruzeiro. Na outra, cantoras como Daniela Mercury e Valesca Popozuda questionaram a diferença salarial

AzMina está em festa. Antes mesmo de completar 2 anos, a gente já foi parar no Cannes Lions Festival, a mais prestigiada premiação do mundo da publicidade, e arrebatou cinco troféus. A campanha #MaisQue70, que questionava a diferença salarial entre homens e mulheres, faturou um leão de prata na categoria Entretenimento e Música, que premia peças com colaboração musical e outros três, de bronze, na categoria Rádio. Já a campanha #VamosMudarOsNúmeros, lançada em campo de futebol no Dia da Mulher, arrebatou um leão de bronze na categoria Media, que celebra trabalhos amplificados pela criatividade e por escolhas estratégicas.

A primeira campanha discutiu a desigualdade salarial entre homens e mulheres. Durante o mês da mulher, cantoras como Tiê, Daniela Mercury e Valesca Popozuda doaram 30% de suas músicas para lembrar aos brasileiros que, por aqui, mulheres ganham em média 70% da remuneração dos homens pelo mesmo trabalho. Logo, quem quisesse ouvir algumas de suas obras no período ia ter que se contentar com um percentual da canção. A campanha é assinada pela J. W. Thompson, que desde o final de 2016 incluiu AzMina no time de ONGs que agencia sem custo.

A segunda campanha premiada levou os dados da desigualdade para os gramados no último 8 de março, quando o Cruzeiro entrou em campo com os números das camisas exibindo estatísticas das adversidades enfrentadas pelas brasileiras. A agência New 360 amarrou a parceria entre AzMina e o clube mineiro.

“Misturar jornalismo e campanhas de conscientização como temos feito, sem verba e sem gente com formação em marketing na equipe, foi uma aposta que fizemos na cara e na coragem, e ganhar esse dois leões antes mesmo de completar 2 anos de vida é simplesmente muito mais do que a gente podia sonhar”, celebra Letícia Bahia, diretora institucional d’AzMina.

AzMina também foi duplamente finalista na categoria Promo & Activation com as campanhas #VamosMudarOsNúmeros e #MaisQue70.

E teve mais prêmio da mulherada brasileira na parada: com o apoio da agência de consultoria 65 | 10, cuja missão é mudar o papel da mulher na publicidade, a gigante Ogilvy arrebatou um leão de bronze para a Nescau na categoria Glass Lion pela campanha Meninas Fortes. A categoria destaca campanhas relacionadas à igualdade de gênero, tem apenas 3 anos de existência e ainda não havia agraciado nenhuma campanha brasileira.

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!