logo AzMina

#VamosMudarOsNúmeros: Cruzeiro e AzMina entram em campo pelas mulheres

Clube mineiro veste a camisa da desigualdade em jogo no 8 de março pela Copa do Brasil
imagem: Site Oficial do Cruzeiro

Os salários são 30% menores. O tempo gasto com as tarefas de casa, quase o triplo. A cada 11 minutos, 1 estupro, e a cada duas horas, uma morte. 23% dos municípios brasileiros não têm nenhuma vereadora e, no mundo, elas são só 22% dos parlamentares. Mas se as estatísticas dão a medida do peso carregado todos os dias pelas mulheres, nesse 8 de março é nas costas de 22 homens que os números da desigualdade vão desfilar.

Quatro vezes campeão brasileiro e bi na Libertadores, na noite do Dia Internacional da Mulher o Cruzeiro empresta seu brilho para iluminar as desigualdades a que as mulheres estão submetidas. A ação, que acontece hoje no jogo contra o Murici pela Copa do Brasil, é uma parceria entre o clube mineiro e AzMina costurada pela agência mineira New360, e usa os números nas camisas das estrelas para expor estatísticas da desigualdade.

Mas o duelo contra o time alagoano vai ficar pequeno perto de estatísticas como a que Ariel Cabral vai carregar durante a partida.

Camisa 5, o meio-campo entra no jogo representando a posição do Brasil no ranking mundial de homicídios de mulheres.

Na entrada do Cruzeiro, os 22 jogadores carregam a faixa com a hashtag #VamosMudarOsNúmeros, convidando até o mais fanático torcedor do Atlético Mineiro a deixar a rivalidade histórica de lado em nome da causa feminista. Fio condutor do jornalismo da Revista AzMina, o feminismo nada tem a ver com as caricaturas que circulam por aí. No dicionário Michaelis, ele é definido como a “equiparação dos direitos sociais e políticos de ambos os sexos”.

A ideia é utilizar toda a repercussão da partida – sobretudo no ambiente marcadamente machista do futebol – para alertar as pessoas sobre a violência e as desigualdades que atingem as mulheres e sobre o longo caminho que ainda nos separa da igualdade entre homens e mulheres.

O Cruzeiro faz o abre alas, a Revista AzMina aprofunda com o jornalismo.

Para quem acredita que as mulheres já conquistaram seus direitos, Letícia Bahia, Diretora Institucional d’AzMina, esclarece: “Muita gente pensa que a luta pelos direitos das mulheres não faz mais sentido. Mas os dados que os jogadores vão exibir mostram o quanto essa questão segue sendo atual”. A partida do Cruzeiro termina nos 45 do segundo tempo, mas a luta das mulheres está só começando.

Fonte: Site oficial do Cruzeiro

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!