logo AzMina

Qual a diferença entre assédio e paquera?

Saímos pelas ruas de São Paulo para perguntar aos homens qual a diferença entre assédio e paquera. "É complicado", disse um deles. A gente descomplica!
e

 
Carnaval é tempo de festa, de ocupar a cidade com música, dança e alegria. Mas é também tempo de enfrentar o assédio, de fazer nossa voz ser ouvida até eles entenderem que “não é não”, que beijo forçado não é paquera, que não pode tocar sem permissão e que nós não vamos mais aceitar caladas.

Desde 2016, a Revista AzMina faz campanhas para combater o assédio, o racismo e o machismo no carnaval. São milhares de compartilhamentos, inúmeras reportagens n’AzMina, em veículos alternativos e da grande imprensa, duas marchinhas feministas, vídeos e guias didáticos para combater o assédio e incentivar a solidariedade. Compartilhe nosso material nas redes sociais e apps de mensagens! Espalhe as
#CarnavalSemAssédio #CarnavalFeminista #DeixaElaTocarEmPaz #NãoÉNão

Conheça as campanhas, reportagens e marchinhas:

Se Você Quiser, hit feminista com Bruna Caram e Chico César

No Carnaval, na cama e nas ruas, “deixa ela tocar em paz”

Globeleza 2017, uma nova perspectiva sobre o Carnaval – e não só para nós, negras

Elas estão enchendo o Carnaval de feminismo pra você. Quer brincar junto?

#UmaMinaAjudaAOutra: 9 ideias pra você mudar o Carnaval de outras mulheres

Guia didático da diferença entre paquera e assédio pra você não ser um canalha no Carnaval

As drogas que podem aparecer no seu carnaval e como cada uma funciona

 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!