logo AzMina

Qual a diferença entre assédio e paquera?

Saímos pelas ruas de São Paulo para perguntar aos homens qual a diferença entre assédio e paquera. "É complicado", disse um deles. A gente descomplica!
e

 
Carnaval é tempo de festa, de ocupar a cidade com música, dança e alegria. Mas é também tempo de enfrentar o assédio, de fazer nossa voz ser ouvida até eles entenderem que “não é não”, que beijo forçado não é paquera, que não pode tocar sem permissão e que nós não vamos mais aceitar caladas.

Desde 2016, a Revista AzMina faz campanhas para combater o assédio, o racismo e o machismo no carnaval. São milhares de compartilhamentos, inúmeras reportagens n’AzMina, em veículos alternativos e da grande imprensa, duas marchinhas feministas, vídeos e guias didáticos para combater o assédio e incentivar a solidariedade. Compartilhe nosso material nas redes sociais e apps de mensagens! Espalhe as
#CarnavalSemAssédio #CarnavalFeminista #DeixaElaTocarEmPaz #NãoÉNão

Conheça as campanhas, reportagens e marchinhas:

Se Você Quiser, hit feminista com Bruna Caram e Chico César

No Carnaval, na cama e nas ruas, “deixa ela tocar em paz”

Globeleza 2017, uma nova perspectiva sobre o Carnaval – e não só para nós, negras

Elas estão enchendo o Carnaval de feminismo pra você. Quer brincar junto?

#UmaMinaAjudaAOutra: 9 ideias pra você mudar o Carnaval de outras mulheres

Guia didático da diferença entre paquera e assédio pra você não ser um canalha no Carnaval

As drogas que podem aparecer no seu carnaval e como cada uma funciona

 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA