logo AzMina

Mulheres que viveram relações abusivas contam os desafios de se apaixonar novamente

O medo de parecer vulnerável e a sensação de não merecer afeto são algumas das coisas que aparecem como sintomas desse trauma

Frio na barriga, ansiedade, expectativa …Começar uma relação amorosa é muito gostoso. Mas essa fase pode ser muito diferente para quem já viveu uma relação abusiva

O trauma da violência faz com que as vítimas tenham muito medo de se apaixonar e de se entregar novamente para outras relações. E quando se sentem prontas para viver isso, elas ainda precisam lidar com várias lembranças e gatilhos do passado. 

As criadoras de conteúdo Thaís Pastori e Gizella Ginsicke passaram por isso e contaram pr’AzMina 5 coisas que ninguém te fala sobre se relacionar novamente, depois de viver um trauma como esse.  Elas participaram do “Mas Vocês Veem Gênero em Tudo”, o nosso programa semanal no Youtube. Assista!

O medo de parecer vulnerável e a sensação de não merecer afeto são duas coisas que aparecem nos relatos, como sintomas desse trauma.  Para entender melhor essas reações e os gatilhos emocionais que uma nova relação pode despertar, também ouvimos as psicólogas Mônica Miranda e Isabela Mondin Giusti. Mas ó, a gente não fala só das dores não. Também tem recomeço e muito amor na vida delas hoje. Vem ver!

Leia mais: Relacionamento abusivo: 15 sinais de que você pode estar em um – AzMina

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA