logo AzMina

Documentário “Para Além dos Seios” discute tabu em torno das mamas

Filme que estreia em Brasília parte dos mamilos para debater outras questões de gênero e saúde.

Cartaz oficial final 2

São muitos os assuntos que cercam o debate sobre gênero no Brasil e parece até impossível conseguir abarcar tudo que atravessa o tema. Mas a gente sabe que os mamilos podem ser uma porta de entrada para a maioria dos debates, como a campanha #MamiloLivre mostrou essa semana. E o documentário “Para Além dos Seios” tenta aprofundar essa conversa.

De produção totalmente independente, o filme tem como elemento central o seio. É a partir dele, procura-se estimular reflexões acerca da cultura do estupro, aborto, hipersexualização da mulher negra, câncer de mama e a relação com o corpo pós mastectomia, amamentação, identidades de gênero e sexualidades. Além de questionar o papel das mídias na construção das normatividades corporais e de gênero.

Para Viviane Vergueiro, ativista transfeminista e uma das personagens do documentário, Para Além dos Seios propõe uma série de diálogos que, no cenário político atual, têm sido distorcidos ou invisibilizados por conta de interesses religiosos, econômicos e ideológicos.

“Acredito que o documentário se destaca por trazer temas cruciais gravitando em torno dos seios, elemento tão delicado quando pensamos gênero e padrões corporais. E ao fazer isto, apresenta perspectivas potentes que denunciam o abafamento desses debates – alegando que seriam uma ‘ideologia de gênero’ nociva, demoníaca até”, diz.

Sucesso de bilheteria e críticas

Durante o período que esteve em cartaz em Salvador, Para Além dos Seios se firmou como um grande sucesso de público, chegando a ser o filme de maior bilheteria no circuito SaladeArte de cinema nas primeiras seis semanas. Após sair de cartaz, a procura pelo filme continuou e foram realizadas algumas sessões especiais para grupos fechados e abertas ao público em geral, o que culminou na volta do filme a cartaz por uma semana, em homenagem ao Outubro Rosa. Na fanpage do Facebook já são quase 4 mil seguidores.

O filme tem recebido boas críticas e indicações de pessoas públicas, como do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ). Finalizado em 2015 e em cartaz por três meses na capital baiana no primeiro semestre de 2016, o documentário segue agora para Brasília, com pré-estreia prevista para o dia 4 de dezembro, às 17h, no Cine Brasília, com debate ao final.

Por crowdfunding, é o público quem faz o filme ser exibido

 Enquanto o Para Além dos Seios não consegue apoio institucional para sua distribuição, os seguidores e apreciadores do filme têm contribuído para circulação através da campanha de financiamento coletivo, disponível na plataforma Benfeitoria.

Entre as recompensas disponíveis na plataforma, estão convites para contribuições onde o valor varia de R$ 12,50 a R$ 18 por unidade, a depender da quantidade. “Procuramos deixar a recompensa do convite o mais acessível possível. O nosso objetivo é fazer o filme chegar ao máximo de pessoas. Acreditamos muito nele, enquanto ferramenta política e transformadora da sociedade”, explica o diretor, Adriano Big.

Serviço:

O que: Exibição de Para Além dos Seios.

Quando: 4 de dezembro.

Onde: Cine Brasília, às 17h.

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!