logo AzMina

Crise climática e mulheres: é o nosso consumo que destrói o meio ambiente?

As pessoas não são as principais culpadas pela crise climática, mas isso não quer dizer que elas não têm responsabilidades

A gente está vivendo no meio de uma crise climática e ambiental. E quase tudo que a gente usa polui o planeta. O absorvente descartável, por exemplo, é feito, majoritariamente, de material plástico e demora quase 400 anos para se desfazer, segundo o Instituto Akatu. Agora, se uma pessoa que menstrua usa em média 20 quilos de absorvente durante a vida, imagina o quanto de lixo é produzido a partir desse item de higiene pessoal? Muita coisa, né? Mas será que a culpa pela crise então é nossa?

O Brasil é o quarto maior produtor de resíduos plásticos do mundo, segundo estudo do Fundo Mundial para a Natureza (WWF), mas a maior parte desse lixo não é produzido pelas pessoas, e sim pelas empresas.

Então, de quem é a culpa de toda essa poluição que gera a crise climática? A gente que compra o absorvente e outros itens feitos de plástico? As empresas que fazem produtos que agridem o meio ambiente? Ou os governos que não impõem regras duras para reciclagem do lixo? 

É isso que a gente discute no Mas Vocês Veem Gênero em Tudo desta semana! Assista! E não se esqueça de se inscrever no nosso canal para saber quando tiver vídeo novo no ar!

E vale lembrar: mulheres são as mais afetadas pela crise ambiental. Existe até uma linha do feminismo que defende que não dá pra falar de direitos das mulheres sem falar de defesa do meio ambiente, nem dá pra defender o meio ambiente sem recorte de gênero. É o ecofeminismo e aqui você pode saber mais sobre ele.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA