logo AzMina

Crise ambiental é problema de mulher?

Meio ambiente e mulheres: conheça o ecofeminismo

Meio ambiente foi o assunto da semana e com razão, por isso, vamos falar de ecofeminismo. Segunda foi dia da luta dos povos indígenas e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fez piada com a data. O mesmo ministro que foi denunciado por obstruir investigação de madeireiros em crime ambiental e bombou nas redes sociais com o #forasalles.

Além disso, rolou a Cúpula do Clima, onde o presidente Jair Bolsonaro foi pressionado para assumir compromissos para reduzir o desmatamento e também falou várias mentiras.

No vídeo, nossa diretora de redação explica porque não dá para falar em crise ambiental sem falar sobre seu impacto para as mulheres. Claro que a mudança climática e os desastres ambientais afetam todas as pessoas, mas não da mesma forma.

É o que se chama de injustiça climática – em geral os países e grupos mais vulneráveis, que são os menores responsáveis pelos impactos ambientais, são os mais afetados por eles. E é impossível falar em meio ambiente, sem falar em direitos das mulheres e vice-versa. No vídeo, explicar porquê e apresentamos como pensa o Ecofeminismo. Assista!

Veja também: BBB e racismo: um vídeo pra ninguém mais falar que não tem informação

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA