logo AzMina

‘Aprender a investir é essencial para mulheres que querem conquistar a independência’

Coach financeira dá dicas práticas e simples de investimentos para mulheres em canal do Youtube
Foto: Divulgação

Para a engenheira e coach financeira, Mirna Borges, investir pode ser um caminho para a independência financeira e realização de projetos. Confira as dicas e recomendações dela pra quem quer começar a investir e se planejar financeiramente.

AzMina: Como começou a trabalhar nessa área? E como foi virar youtuber?
Mirna Borges: Desde pequena gostava de organizar as contas de casa, somá-las, fazer balanço. Como amava calcular, acabei optando por engenharia. Mas minha paixão pelo mundo das finanças aconteceu quando a gerente do banco onde eu tinha conta me chamou para aplicar o valor que eu tinha na conta corrente. Eu fui ao banco, acabei adquirindo diversos produtos financeiros sem entendê-los, somente por acreditar no que a gerente me ofereceu. Ao chegar em casa comecei a estudar e a pesquisar sobre cada produto que eu havia adquirido e a partir daí eu me apaixonei… Não parei mais de estudar. E ao perceber que muitas pessoas passam todos os dias pelo mesmo problema que eu passei, de não saber onde investir, eu resolvi criar o canal no YouTube para orientá-las de uma forma leve e simples, mostrando que o mundo dos investimentos não é um bicho de 7 cabeças.

Por que você acha que esta área ainda é vista como difícil por muitas mulheres?
Como o Brasil ainda carece de educação financeira, muitas mulheres por desconhecimento acabam acreditando que investir é difícil, que exige muita matemática ou ficam intimidadas com os termos técnicos apresentados em reportagens e em entrevistas, e acreditam que o mundo dos investimentos é algo distante da realidade e da capacidade feminina.

Acredita que aprender a investir pode ajudar na independência e empoderamento da mulher?
Com certeza. As mulheres estão cada vez mais presentes no mercado de trabalho, buscando crescimento profissional e pessoal.

Ao aprender a investir o capital, ela percebe que conseguirá chegar mais rápido no objetivo de médio e de longo prazo como a independência financeira.

Ela descobre que investir é multiplicar o capital, deixando que o dinheiro trabalhe a seu favor em função dos juros compostos [quando a taxa de juros incide sobre o valor acumulado, investimento inicial + juros do mês anterior]. Muda-se o hábito de gastar para poupar e investir mensalmente a fim de acelerar o processo de realização dos sonhos.

O que precisamos saber para começar investir?
Precisa buscar conhecimento. Hoje é possível encontrar muito conteúdo gratuito em blogs e também em canais do youtube. No meu canal no YouTube eu lancei a série investimentos justamente para ajudar pessoas que são iniciantes e mostrar que não é preciso ser bom em matemática para saber investir. Antes de diversificar é necessário ter clareza quanto ao destino que você dará ao dinheiro, quantos meses poderá deixá-lo aplicado e qual o seu perfil de investidora.

Que dicas você daria para quem está começando?
Separe pelo menos 10% do salário para investir.

Não deixe para poupar o que sobra do salário, é preciso separar assim que o dinheiro cair na conta.

Forme a reserva de emergência em uma aplicação de liquidez diária [que pode ser retirada a qualquer momento], comece a investir para a aposentadoria o quanto antes e sempre diversifique investimentos. Caso ela não queira destinar um tempo e energia para realmente aprender sobre o mundo dos investimentos, existem profissionais qualificados que podem orientá-la.

A poupança ainda é considerada atrativa por muitos pequenos poupadores porque oferece segurança e não exige acompanhamento. Quais investimentos trariam essas mesmas vantagens, mas mais rentabilidade?
Os investimentos em renda fixa em geral possuem a mesma segurança. Liquidez diária como a poupança oferece é encontrada no Tesouro Selic e em CDB de liquidez diária [Entenda o que são esses títulos aqui]. O Tesouro Selic possui rentabilidade maior que a poupança, é assegurado pelo Tesouro Nacional e você pode resgatá-lo quando quiser.

A maioria do seu público é mulher? Tem aumentado o número de mulheres que busca investir? Por quê?
A maioria do meu público é masculino. No Instagram (@mirna_economirna) as mulheres representam 48% dos seguidores, já no Youtube apenas 25% são mulheres. Eu vejo que aos poucos as mulheres vão se interessando pelo assunto e percebendo que investir é difícil.

Além destes investimentos considerados seguros, como renda fixa e tesouro direto, acha que é necessário também diversificar ainda mais e fazer algumas apostas um pouco mais arriscadas? Quais? Por onde recomendaria começar?
Diversificar é sempre bom! Mas antes de fazer apostas mais arriscadas é necessário conhecer o seu perfil e qual o risco que você estaria disposto a correr. Os riscos devem ser calculados, portanto você deve conhecer bem sobre o ativo na qual irá aplicar o seu capital.

Lembrando que quanto mais idade você tiver, menor deve ser a sua exposição ao risco, pois menor será o tempo que você terá para se recuperar de uma possível perda.

A ideia de iniciar por fundos de investimentos de ações ou multimercados é uma opção, pois é possível investir em uma carteira diversificada sob gestão patrimonial. Converse com o seu assessor de investimentos antes de adquirir qualquer ativo.

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!