logo AzMina

A resistência diária dos Mbya Guarani

Ensaio fotográfico mostra a luta de uma das maiores nações indígenas vivas na América do Sul
por Luiza Mandetta
9 de maio de 2016

O povo Mbya Guarani resiste à colonização há mais de 500 anos, e é hoje uma das maiores nações indígenas vivas na América do Sul. Seu território de ocupação se estende do litoral do Espírito Santo até o Rio Grande do Sul, incluindo também o interior dos estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo, assim como o sul do Mato Grosso do Sul. Para além das fronteiras nacionais, estão presentes também no Uruguai, Argentina, Paraguai e Bolívia.

Atualmente, os guarani de diversas partes do país, assim como praticamente todos os povos do Brasil, se veem obrigados a lutar cotidianamente pelo direito de manter suas culturas e habitar seus territórios tradicionais. Essa luta se torna cada dia mais difícil, num cenário em que o governo aliou-se ao agronegócio, opera para criminalizar a mobilização política por esses direitos e age em conivência com o genocídio ainda em curso contra as populações indígenas.

Ao longo do tempo que passei ao lado dos guarani de São Paulo, fui entendendo aos pouquinhos como a luta não se trata apenas das manifestações de rua, dos protestos em Brasília ou mesmo das falas públicas; é mais ainda no cotidiano que está o esforço de resistir, de rezar, de plantar, de criar seus filhos, de manter unidas comunidades que enfrentam ataques cotidianos vindos de todos os lados.

Para os povos indígenas do Brasil, todo e cada dia sob o sol é uma batalha.

É um pouco desta luta que o ensaio abaixo apresenta.

Fotos: Luiza Mandetta

 

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente, já ganhou prêmios e tem mais de quatro anos de impacto na vida de milhares de mulheres. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo sério e responsável que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e livre para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher