logo AzMina

A resistência diária dos Mbya Guarani

Ensaio fotográfico mostra a luta de uma das maiores nações indígenas vivas na América do Sul

O povo Mbya Guarani resiste à colonização há mais de 500 anos, e é hoje uma das maiores nações indígenas vivas na América do Sul. Seu território de ocupação se estende do litoral do Espírito Santo até o Rio Grande do Sul, incluindo também o interior dos estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo, assim como o sul do Mato Grosso do Sul. Para além das fronteiras nacionais, estão presentes também no Uruguai, Argentina, Paraguai e Bolívia.

Atualmente, os guarani de diversas partes do país, assim como praticamente todos os povos do Brasil, se veem obrigados a lutar cotidianamente pelo direito de manter suas culturas e habitar seus territórios tradicionais. Essa luta se torna cada dia mais difícil, num cenário em que o governo aliou-se ao agronegócio, opera para criminalizar a mobilização política por esses direitos e age em conivência com o genocídio ainda em curso contra as populações indígenas.

Ao longo do tempo que passei ao lado dos guarani de São Paulo, fui entendendo aos pouquinhos como a luta não se trata apenas das manifestações de rua, dos protestos em Brasília ou mesmo das falas públicas; é mais ainda no cotidiano que está o esforço de resistir, de rezar, de plantar, de criar seus filhos, de manter unidas comunidades que enfrentam ataques cotidianos vindos de todos os lados.

Para os povos indígenas do Brasil, todo e cada dia sob o sol é uma batalha.

É um pouco desta luta que o ensaio abaixo apresenta.

Fotos: Luiza Mandetta

 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!