logo AzMina
13 de maio de 2016

O Clube do Bolinha Branco de Temer

A ausência de mulheres dentre os ministros de Temer não é estranho. Nem é uma mancada. Este dado não é nem surpreendente, nem um pequeno equívoco

Temos um ministério compostos por homens brancos de elite. Há requintes de crueldade nas escolhas do Presidente Interino. Há o grande defensor do proibicionismo e da guerras às drogas, há o homem que liderou a PM paulistana durante chacinas nas periferias e respostas violentas ao movimento secundarista. Mas todos têm isso em comum: homens brancos.

Tenho visto as reações ao clube do bolinha branco de Temer e vejo que, embora exista consenso sobre o absurdo que é a ausência de mulheres neste grupo, temos encarado esse dado como algo que ele não é.

Nas redes sociais, por exemplo, as estatísticas são debatidas. O primeiro governo só com homens ministro desde Geisel. Não, dizem alguns. Sarney e Itamar também não tinham mulheres no momento da posse. Detalhes relevantes para que entendamos o contexto e encaremos de frente nossa o machismo endêmico da nossa sociedade. Este dado não é mera estatística.

A Globonews disse que o grupo convocado por Temer é ótimo, competente, apesar da “mancada” de não chamar nenhuma mulher. Mancada. O Senador Cristovan Buarque, que votou pelo impedimento da Presidenta, postou que achou “estranho” a falta de diversidade dos convocados. Estranho.

A ausência de mulheres dentre os ministros de Temer não é estranho. Nem é uma mancada. Este dado não é nem surpreendente, nem um pequeno equívoco.

Este dado é a ponta do iceberg do conservadorismo. Este dado é o retrocesso que nem os que estavam convencidos de queste proceso de impedimento era legítimo e positivo conseguem negar. Este governo trata a desigualdade de gênero com naturalidade e a perpetua agindo na contra-mão da história ao dizer às mulheres: a vida pública não é o seu lugar.

Faixa de miss pode. De presidenta não.

Este dado deve nos fazer enfrentar a verdadeira questão que deve afligir os que assistiram a posse daqueles quase 30 homens brancos no dia de ontem: que tipo de políticas de enfrentamento das desigualdades pode se esperar de um governo que acha desigualdade de gênero e raça natural? Nenhuma.

A falta de mulheres neste grupo não é algo a ser resolvido convocando uma mulher hoje. Até porque, há razões para duvidar de que o faria. Tem meses que feministas estão denunciado o machismo do então Vice-Presidente, que praticamente só recebeu homens para conversas e conspirações no Palácio do Jaburú. Uma infinidade de cafés tomados com lideranças cobertos pela imprensa nacional por dias e noites. No final, só homens no ministério. Só brancos. Os jornais noticiaram as reemprendas feministas. E nem assim, nem para evitar a fadiga, Temer achou que valia a pena selecionar uma mulher bela, recatada e da posse para estar ao seu lado ontem.

A ausência de diversidade deste governo é um dado que deve ser denunciado para que entendamos que o poço em que eles estão nos jogando é fundo. Outros dados trágicos como esse virão. Ainda não terminamos de cair.

 

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!