logo AzMina

Relatório mostra dificuldades e aponta caminhos para obtenção de dados sobre violência contra a mulher

Documento foi feito a partir da apuração da série 'Um Vírus e Duas Guerras', realizado por mídias independentes com dados públicos
, , , , , e

Nos primeiros seis meses, desde o início da pandemia da Covid-19, em março, três mulheres foram mortas a cada dia, em crimes motivados pela condição de gênero, que caracteriza feminicídio. São Paulo (79), Minas Gerais (64) e Bahia (49) foram os estados que registraram maior número absoluto de casos no período.

Os dados são da série “Um vírus e duas guerras”, que vai monitorar até o fim de 2020 os casos de feminicídios e de violência doméstica no período da pandemia. O objetivo é visibilizar esse fenômeno silencioso, fortalecer a rede de apoio e fomentar o debate sobre a criação ou manutenção de políticas públicas de prevenção à violência de gênero no Brasil.

Ela é resultado de uma parceria colaborativa entre as mídias independentes Amazônia Real, sediada no Amazonas; #Colabora, no Rio de Janeiro; Eco Nordeste, no Ceará; Marco Zero Conteúdo, em Pernambuco, Portal Catarinas, em Santa Catarina; Revista AzMina e Ponte Jornalismo, em São Paulo.

Nos dois quadrimestres do levantamento, as equipes de reportagem encontraram alguns desafios e obstáculos por parte dos órgãos públicos para a obtenção das informações completas. Foram encarados problemas não apenas na obtenção dos dados, mas também na formatação e padronização dos meses. Como resposta a isso, organizamos um relatório que apresenta estes desafios e propostas de soluções para o poder público em relação à coleta de dados sobre violência contra a mulher e sua divulgação. Clique aqui e confira. 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!