logo AzMina

“O machista quis me destruir, mas estou batendo de frente”

Mulher, negra, lésbica, mãe e militante, Luana Hansen não aceita ser colocada em uma caixinha

“Foi isso que o machismo fez comigo. Ele fez nascer uma Luana Hansen que eu acho que nunca nasceria se ninguém tivesse ficado ali me cutucando, se eu tivesse ficado na minha zona de conforto”. 

Quando começou no hip hop, Luana Hansen não aceitou as regras do jogo que estavam dadas. Mulher só faz backing vocal, canta refrão e fica atrás de um grupo de caras? De jeito nenhum! Ela bateu de frente e criou seu próprio estúdio, para fazer do seu jeito. 20 anos depois, a artista vê um cenário no rap nacional bem diferente.

Veja mais: Duas mães lésbicas contam como as duas amamentam

Inclusive, ela acredita que boa parte do movimento venha exatamente [email protected] artistas LGBTS e dá a dica: “agora tem pessoas que sentem vontade de ir num show de rap porque vai se identificar com o artista. Então agradece, movimento, porque vocês estão mudando por nossa causa”.

No bate papo com Juliana Luna, ela fala sobre sua trajetória musical, rótulos e muito mais.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA