logo AzMina

Geração no-mo: cresce o número de mulheres que não querem ser mães

Polêmica que envolve o assunto mostra que é mais aceitável ter filho sem ser pai do que ter útero e não gerar uma criança

O número de mulheres que não querem ser mães tem crescido no mundo todo. No Brasil, elas já são 37%.  Embora seja uma decisão que só deveria interessar a elas, na prática não é bem assim. Numa sociedade que impõe a maternidade como destino e missão natural para as mulheres, não usar o útero soa para muita gente como uma ofensa pessoal que deve ser combatida com críticas, preconceito e até rejeição.  Uma violência que não quer só punir, mas também corrigir quem recusa o caminho esperado pela sociedade machista e patriarcal. É sobre essa escolha e o preconceito em volta dela, que tratamos no vídeo de “Mas vocês veem gênero em tudo?” desta semana, confira!

Leia mais: Maternidade é uma escolha e não a finalidade maior da nossa existência (azmina.com.br)

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA