logo AzMina

Funk putaria: seis mulheres que mudaram nosso papel na música

Funkeiras quebraram barreiras para assumir lugar, antes dominado pelos caras

Eu não sei se você lembra, mas no começo dos anos 2000 o nosso lugar no funk era quase sempre no fundo do palco ou em letras quase sempre duvidosas. Na época, os caras dominavam a cena e, portanto, a narrativa do funk também. Mas algumas minas não se conformaram com esse papel e brigaram, com muito talento, pelo nosso lugar na música. 

Hoje, não há mais dúvida, se o funk tem topo, ele é feito por mulheres. E é delas que a gente escolheu falar no novo video do nosso programa “Mas vocês veem gênero em tudo” no Youtube. Depois do play, você vai descobrir quem são e de onde vieram seis mulheres que assumiram o microfone e mudaram o nosso papel no funk. Assista! Boa parte desse bonde é de mulheres pretas.  

Leia mais: Funk e feminismo: As MCs que provam que funk também é lugar de mulher

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA