logo AzMina

Fotografias sobre a violência contra a mulher no Brasil ganham prêmio internacional. Veja galeria

Amena vasculhou registros policiais sobre ataques psicológicos ou físicos contra as mulheres e criou um ensaio que sensibiliza e causa confusão

A paixão pela igualdade de gêneros virou arte nas mãos da fotógrafa brasiliense Amena Yassine, que levou menção honrosa no concurso do “Baxter Street at the Camera Club of New York” na última quinta-feira.

Entre 2015 e 2016, ela vasculhou arquivos sobre a violação dos direitos da mulher no Brasil, entre eles os registros policiais de violência psicológica ou física contra as vítimas. O relatos inspiraram o ensaio fotográfico “Do you know what happened to you?” (Você sabe o que aconteceu com você?).

O trabalho sensibiliza quanto à vulnerabilidade das vítimas e nos faz questionar o processo de naturalização dos casos de violência contra a mulher, em uma sociedade que trata a violência de gênero como algo comum e culpa as próprias vítimas por sua ocorrência. Muitas vezes, a própria investigação só confunde e tortura ainda mais as mulheres, que são obrigadas a reviver o trauma diversas vezes até chegarem a duvidar de si mesmas.

Nas fotos, Amena utiliza restos de cenas reais combinadas com elementos inseridos propositalmente – o que provoca confusão na audiência.

O espectador fica com perguntas não respondidas sobre o que realmente aconteceu. Muitas vezes, essa é a sensação que as próprias vítimas de violência têm – ‘Isso realmente aconteceu comigo?’” 

Para quem quer saber a importância da premiação: o Baxter Street Camera Club of New York – antes apenas Camera Club of New York – há mais de um século auxilia no desenvolvimento da arte dos fotógrafos ao criar um espaço de discussão e troca de ideias. Pelas portas do clube já passaram grandes nomes da fotografia, como Alfred Stieglitz, Paul Strand e Richard Avedon. 

Amena morou e estudou em Brasília, Londres, Haia e atualmente vive em Nova Iorque, onde desenvolveu sua pós-graduação em Estudos Avançados em Fotografia no renomado “International Center for Photography” em 2015.

 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!